Clubes propõem férias de 20 dias e redução de 25% nos salários dos atletas

PVC falou no seu Blog sobre a nova proposta dos clubes

Os clubes seguem buscando medidas para amenizar a crise diante da diminuição das receitas em razão paralisação do futebol até o momento sem prazo para retorno por conta do novo coronavírus. Na primeira reunião, com as presenças de Fluminense, Atlético-MG, Grêmio, Palmeiras e Bahia, da Série A. Da Série B, Avaí e Paraná, com Oeste como suplente, a Comissão Nacional de Clubes sugeriu férias coletivas antecipando a de 24/12 a 02/01/2021, além da redução da remuneração (CLT e imagem) em 50% por 30 dias, com treinamento em casa. No entanto, em nova reunião, a proposta foi alterada, mas ainda assim terá impasses, como destaca o jornalista Paulo Vinícius Coelho.

 

A segunda proposta da Comissão Nacional de Clubes inclui diminuir em 25% os salários dos jogadores e conceder férias coletivas de vinte dias, para aliviar as contas dos empregadores durante o período da crise. Segundo informação do jornalista PVC, “apesar de ter havido entendimento do sindicato de que a proposta dos clubes terá respaldo legal, diferentemente da primeira oferta, que pretendia reduzir os vencimentos em 50%, os jogadores espalhados pelo Brasil têm um argumento imbatível: querem diminuir 25% de um salário que não é pago.

Um dos líderes do movimento dos clubes, o presidente do Fluminense Mario Bittencourt não pode ser acusado disso porque o Fluminense não tem, neste momento, atraso de salários. Mas Vasco, Botafogo, Cruzeiro, só para listar os clubes mais importantes do país, têm dívidas

Será muito difícil assinar um acordo coletivo com clubes do Norte ao Sul do Brasil, mas a Comissão Nacional de Clubes, com 46 deles representados na reunião desta segunda-feira, pretende uma resposta dos jogadores em 48 horas. A proposta de férias coletivas de vinte dias parece correta, porque o calendário terá de se estender até dezembro. Mas a questão dos salários parece precoce, especialmente levando em conta o que pode ocorrer com toda a sociedade.”

Deixe seu comentário

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*