Dignidade é o mínimo que se espera do Bahia nessa reta final de Série A

"torcedores querem que o manto do Esquadrão seja respeitado"

Foto: Felipe Oliveira / EC Bahia

Dignidade essa é a palavra, compromisso é a outra que tenho espiculado em meus pensares a respeito do sentimento que tenho visto faltar em algumas equipes e sobrando em outras. Equipes com pretensões distintas é fato, mas com jogadores comprometidos com suas equipes, com seu “filme” profissional, jogando como se fosse o último prato de comida, mesmo com salários atrasados ou em situação irreversível na tabela. Importante salientar que estou falando de jogadores do Avaí que ontem foram rebaixados matematicamente, mas mesmo assim, comemorou um empate contra o Cruzeiro no Mineirão como se fora um título, cito aqui também da equipe do Goiás que buscou o empate no último lance do jogo contra o Vasco lutando bravamente até conseguir seu objetivo.

 

A que se deve tal comportamento de equipes que aspiram apenas dignidade enquanto outras com todas as possibilidades de ter um ganho esportivo, de jogadores com possibilidade de ascenderem profissionalmente com lugar de destaque na elite do futebol, com ampliação da visibilidade a nível internacional preferem desacelerar como se a missão estivesse cumprida sem que o pleito ainda não tivesse terminado.

Como sempre escrevo sobre o Esporte Clube Bahia e infelizmente a campanha pífia do segundo turno que, de longe, não corresponde à esperança criada, se mantém na primeira pagina da tabela se sustentando no bom desempenho do primeiro turno que o mantém na nona posição incrivelmente ainda não ultrapassado por outras equipes com mais brio.

Fato é que contra o Goiás no próximo domingo vamos enfrentar uma equipe briosa, que compete o jogo inteiro, que seus jogadores são comprometidos com os seus objetivos e com profissionalismo batalham o jogo inteiro. Ao jogar no lixo pontos contra Ceará e Chape, os jogos mais icônicos a serem citados e que deixaria o Bahia hoje com 49 pontos, nota-se um latente descompromisso dos jogadores com o que pede Roger Machado.

Erros estão ocorrendo na postura de equipe e no próprio treinador que não ambiciona o triunfo por mais gols, não basta fazer um gol e esperar tomar outro, ficar com a bola é uma maneira eficiente de se defender, entregar a bola ao adversário e esperar ser massacrado já não dá mais certo. O primeiro tempo contra o Palmeiras mostrou que é preciso atacar e buscar o gol e só se retrair de fato quando se tiver uma confortável diferença para garantir o triunfo.

Por fim, assim como a maioria da torcida estou realmente decepcionado, pois mesmo o Bahia podendo fazer a melhor campanha da história nos pontos corridos, caso supere os 48 pontos é pouco, pelo tanto que o campeonato se ofereceu pra que o esquadrão alçasse voos mais ambiciosos, mas que deixou escorrer pelos dedos, sabe-se lá porque, pois os boatos correm e formam várias teorias da conspiração.

Fato é que os milhões de torcedores querem que o manto do Esquadrão seja respeitado, pois uma equipe bicampeã brasileira de futebol é maior que qualquer um que lá está, merecemos respeito e queremos resultados já e a torcida mais do que se reter as redes sociais deve cobrar de fato, sem violência, mas com veemência para que se termine o campeonato o mais alto possível.

Diego Campos, torcedor do Bahia e colaborador do Futebol Bahiano.

 

Deixe seu comentário

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*