Brasil tem dois gols anulados pelo VAR e não sai do 0 a 0 com a Venezuela na Fonte Nova

Brasil sofreu com a falta de criatividade e a retranca da Venezuela

A Seleção Brasileira decepcionou os 42.587 torcedores que foram à Arena Fonte Nova na noite desta terça-feira (18) e não saiu de um empate sem gols com a tímida Venezuela pela segunda rodada da fase de grupos da Copa América. Mesmo com mais de 70% de posse de bola, o time do técnico Tite foi bastante previsível e não teve criatividade para furar o bloqueio venezuelano. Quando balançou as redes, os lances foram invalidados, três vezes, uma no primeiro tempo com Roberto Firmino que fez falta, duas no segundo tempo com participação decisiva do VAR, primeiro com Gabriel Jesus e depois com Philippe Coutinho, ambos assinalando impedimento. Os torcedores vaiaram a seleção e gritaram “olé” quando os venezuelanos tocavam na bola.

 

Com o empate, o Brasil chega aos 4 pontos e segue como líder do Grupo A, dividindo a liderança com o Peru que mais cedo aplicou 3 a 1 na Bolívia. A Venezuela, por sua vez, segue brigando por uma vaga na segunda fase e ocupa o terceiro lugar com 2 pontos. O próximo compromisso da Seleção Brasileira é no sábado (22), às 16h, contra o Peru, na Arena do Corinthians, em Itaquera.

O Brasil jogou com: Alisson; Daniel Alves, Marquinhos, Thiago Silva e Filipe Luís; Casemiro (Fernandinho), Arthur e Philippe Coutinho; Richarlison (Gabriel Jesus), David Neres (Everton) e Roberto Firmino. Público e Renda: 39.622 pagantes e 2.965 não pagantes / R$ 8.734.480,00.

Com o resultado, a Venezuela segue sem vencer o Brasil em jogos pela Copa América. Agora são 8 jogos, com 6 vitórias do Brasil, 2 empates e nenhuma derrota. 27 gols marcados e apenas 2 sofrido. A última vez que as seleções haviam se enfrentado na Fonte Nova foi também pela Copa América de 1989 e o Brasil venceu por 3 a 1. A maior goleada da Seleção Brasileira sobre os venezuelanos aconteceu em 1999, com a vitória por 7 a 0 no marcante jogo da estreia de Ronaldinho Gaúcho.

Deixe seu comentário

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*