Ceará tranquilo e não vê risco de ser rebaixado por jogador irregular

Hoje à tarde a imprensa de Campinas divulgou uma suposta irregularidade do lateral-esquerdo Ernandes, que defendeu Ceará e Goiás no Campeonato Brasileiro das Série A e B, respectivamente. Segundo as informações o jogador teria atuado em ambas as equipes de forma irregular já que apresentou documentos falsos, abrindo uma possibilidade dos clubes perderem os pontos. Neste caso, o Ceará seria rebaixado, enquanto, o Goiás não obteria o acesso, abrindo espaço para Sport (rebaixado) e Ponte Preta quinta colocada na Série B.

O Goiás através de nota, não nega ou confirma, apenas se de fato se comprovar a ilegalidade de documentação, o clube não poderia ser culpado.

Já o Ceará segue a mesma linha. Segundo o diretor de assuntos jurídicos do clube, Jamilson Veras em entrevista ao jornal o POVO, mesmo que o jogador tenha de fato atuado durante todo o ano com um documento falso, o Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD) prevê, em artigo específico, punição ao atleta, não ao clube.



O artigo mencionado por Veras é o 234, que pune com 189 a 720 dias quem “falsificar, no todo ou em parte, documento público ou particular, omitir declaração que nele deveria constar, inserir ou fazer inserir declaração falsa ou diversa da que deveria ser escrita, para o fim de usá-lo perante a Justiça Desportiva ou entidade desportiva”. Além disse, uma multa entre R$ 100 e R$ 100 mil pode ser aplicada.

Ernandes jogou apenas uma partida pelo Ceará na Série A do Brasileiro, justamente a de estreia, contra o Santos, quando o Vovô foi derrotado por 2 a 0. A suposta irregularidade dele, denunciada pelo repórter Pedro Oriloli, da Rádio Central, de Campinas, é que o jogador está com idade alterada. No BID da CBF o jogador tem nascimento registrado no dia 11 de novembro de 1987, mas o registro em cartório do jogador seria datado de 1985.

“Não temos nenhuma defesa porque trata-se apenas de uma matéria baseada numa especulação. Mas, caso o jogador esteja mesmo irregular, nem Goiás nem Ceará podem ser punidos. O CBJD pede punição ao atleta em caso de falsificação de documentos”, diz Jamilson Veras. As série A e B do Brasileiro não possuem nenhuma restrição de jogadores por idade, o que prova, segundo o advogado, que não houve má fé dos clubes.

Rebaixamento
Se o STJD entendesse que o Ceará tivesse que ser punido pela escalação de Ernandes por ter adulterado a idade, o clube cearense perderia três pontos (independentemente de não ter somado ponto algum no jogo em que Ernandes atuou), caindo de 44 para 41 pontos. Desta forma, o Alvinegro acabaria rebaixado no lugar do Sport, que terminou a competição com 42.

Deixe seu comentário