Troca constante de presidentes contribuiu para o rebaixamento do Vitória

"O resultado positivo às vezes esconde algumas coisas"

Fotos: Maurícia da Matta / EC Vitória

Depois dos dois anos em que bateu na trave (2016/2017), no terceiro não teve jeito. Na noite deste domingo (25/11/2018), o Epsorte Clube Vitória foi oficialmente rebaixado para a Série B de 2019. O Leão empatou com o Grêmio, por 0 x 0, no Barradão, acumulando seu oitavo jogo sem triunfo no Campeonato Brasileiro, e grudou os olhos na TV para secar a Chapecoense esta noite, no entanto, o empate da Chape também sem gols contra o Corinthians decretou a queda do Rubro-Negro que faz companhia ao Paraná e agora espera a 38ª rodada para conhecer os outros dois integrantes.

Um dos líderes do elenco rubro-negro, o volante Willian Farias questionou a troca constante de presidentes no Vitória que, segundo ele, refletiu no torcedor, dentro de campo e na gestão em geral, sendo um dos fortes motivos pelo rebaixado do clube este ano.

“Futebol é assim. O resultado positivo às vezes esconde algumas coisas. Em três anos foram quatro presidentes e cada um pensa de uma maneira. Isso refletiu no torcedor, em nós em campo e na gestão em modo geral. O primeiro jogo vale os mesmos três pontos que hoje. Não podemos dizer que o jogo contra o Grêmio rebaixou o Vitória”, desabafou o jogador.

De maio de 2015 até o momento, o Vitória contou com quatro presidentes: Raimundo Viana, Ivã de Almeida, Agenor Gordilho (interino) e Ricardo David, sendo este último eleito na última eleição e pode sofrer impeachment que é pedido por um grupo de conselheiros do Leão.



LEIA MAIS:

Deixe seu comentário

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*