Saiba tudo sobre a decisão entre Atlético-PR x Bahia pela Copa Sul-Americana

Triunfo do Bahia por 1 x 0 a decisão será nos pênaltis

Foto: Felipe Oliveira

Atlético Paranaense e Bahia decidem hoje à noite quem avança em direção do Fluminense ou Nacional do Uruguai que também fazem nesta quarta a outra partida das quartas de final. Jogo de natural favoritismo para o paranaense pelo momento que atravessa dentro de casa, aliado a isto, a pouca vocação do Bahia em arrancar triunfos em casas alheias, especialmente se tratando de uma decisão. No entanto, a esperança existe. Sem medo ou sustos antecipados é possível acreditar num triunfo tricolor, afinal, estaremos enfrentando apenas o Atlético-PR do Paraná, clube de equivalência pela estrutura semelhante. Como perdeu o primeiro jogo, o Bahia precisa devolver o placar para levar a decisão para os pênaltis ou vencer por diferença de dois.

CAMPANHAS DOS CLUBES EM JOGOS INTERNACIONAIS

Se analisarmos a história dos clubes em competições internacionais, o Atlético Paranaense é superior ao Esporte Clube Bahia. Mais experiente neste tipo de torneio, o Furacão participa da Sul-Americana pela sétima vez, além disso, tem cinco participações em Libertadores. Já o Bahia disputou três vezes à Libertadores (1960, 1964 e 1989), e cinco vezes a Sul-Americana.

As melhores campanhas do Atlético-PR foram o vice da Libertadores em 2005 e a semifinal da Sul-Americana em 2006. O Bahia chegou no máximo às quartas de final da Libertadores (em 1989) e faz em 2018 sua melhor campanha na história da Sul-Americana, alcançando de forma inédita as quartas de final.

No total, em competições internacionais oficiais, o clube paranaense somou 37 vitórias, 14 empates e 27 derrotas nesses torneios, ambos organizados pela Conmebol. O Bahia tem apenas 14 vitórias, oito empates e dez derrotas.



EC BAHIA
3 participações na Libertadores
5 participações na Sul-Americana
32 jogos (14 triunfos, 8 empates e 10 derrotas – 38 gols marcados e 33 sofridos)

ATLÉTICO
5 participações na Libertadores
7 participações na Sul-Americana
78 jogos (37 vitórias, 14 empates e 27 derrotas – 113 gols marcados e 103 gols sofridos)

Na atual Copa Sul-Americana, o Furacão vive um grande momento, tanto fora como dentro de casa. Até então realizou seis jogos e obteve triunfo em cinco deles, perdendo apenas um na primeira fase. Venceu Newell’s Old Boys (em casa), Peñarol (lá e cá) Caracas (lá e cá).

Já o Esporte Clube Bahia, mesmo atuando quase sempre com times mesclados, eliminou Blooming, da Bolívia, goleando o segundo jogo, na Fonte Nova, por 4 x 0, o Atlético Cerro do Uruguai, vencendo aqui e empatando lá, além do Botafogo nas oitavas, vencendo em Salvador e perdendo no Rio, mas levando a decisão para os pênaltis onde brilhou o goleiro Douglas defendo duas penalidades.

CAMPANHA DO BAHIA
Primeira fase:
Blooming 1 x 0 Bahia
Bahia 4 x 0 Blooming

Segunda fase:
Bahia 2 x 0 Atlético Cerro
Atlético Cerro 1 x 1 Bahia

Oitavas de final
Bahia 2 x 1 Botafogo
Botafogo 2 (4×5) 1 Bahia

CAMPANHA DO CAP
Primeira fase:
Atlético-PR 3 x 0 Newell’s
Newell’s 2 x 1 Atlético-PR

Segunda fase:
Atlético-PR 2 x 0 Peñarol
Penãrol 1 x 4 Atlético-PR

Oitavas de final:
Caracas 0 x 2 Atlético-PR
Atlético-PR 2 x 1 Caracas



FORTE MANDANTE x FRACO VISITANTE
O futebol é no campo e nenhuma sentença pode ser proferida antes da porrada do martelo na mesa. Mas ainda assim, o adversário é favorito no duelo desta noite sem dúvida. Ao Bahia restou apenas a fé. Não estamos jogando qualquer bola que nos ofereça autoridade ou crença adicionais, além da fé e figa.

Colaboram  com isto os números do Bahia como visitante. O time só venceu uma partida fora do Nordeste em 2018: 1 a 0 sobre o Botafogo, no Rio de Janeiro. No total, disputou 33 partidas como visitante no ano e venceu nove. Oito dessas vitórias foram no Nordeste (uma pelo Brasileirão, quatro pela Copa do Nordeste e três pelo Baiano). Se o Bahia não vai bem como visitante, o Atlético é arrasador como mandante. O time vem de 12 vitórias seguidas na Arena da Baixada, contando todas as competições.

PESO DA ARENA DA BAIXADA
Quando a Arena da Baixada foi inaugurada em 2014, o Atlético disputou 30 jogos de mata-mata no local (finais ou eliminatórias). Venceu 22 e empatou quatro dessas partidas. Foram apenas quatro derrotas – para o Coritiba, na final do Paranaense de 2017, para o Cruzeiro, nas oitavas da Copa do Brasil de 2018 e duas vezes para o Grêmio, na Copa do Brasil de 2017 e na de 2016.

RETROSPECTO RUIM do BAHIA
Bahia não se dá em Curitiba quando enfrentando o time rubro-negro. Por lá foram disputados 15 jogos e o Bahia só venceu uma vez na história – 2 a 0, pelo Brasileirão de 2011. Nos demais confrontos, foram 11 vitórias atleticanas e três empates.

ARBITRAGEM
Será do Peru o trio de arbitragem que irá comandar o jogo entre Atlético Paranaense e Bahia nesta quarta-feira (31) na Arena da Baixada, Apita o confronto Diego Haro. Ele será auxiliado por Jonny Bossio e Coty Carrera. Os operadores do árbitro de vídeo serão Jesus Valenzuela, Aléxis Herrara da Venezuela. Juan Belati da Argentina e Alicio Pena Jr do Brasil.

INVENCIBILIDADE GIGANTE
O triunfo sobre o Botafogo no último sábado à noite, o Atlético paraense ampliou uma marca histórica dentro da Arena da Baixada. Os três pontos decretaram a 12ª vitória seguida no estádio atleticano, maior série desde que a casa depois que o clube adotou o formato “arena”, em 1999. na marca anterior, em 2000, time emplacou 10 vitórias de forma consecutiva. ( veja lista abaixo)

A atual sequência conta com 10 partidas pelo Campeonato Brasileiro e duas pela Conmebol Sul-Americana. São 32 gols marcados e apenas quatro sofridos neste período.

Conmebol Sul-Americana
Atlético Paranaense 2×0 Peñarol
03/10: Atlético Paranaense 2×1 Caracas

Campeonato Brasileiro.
16ª rodada – 29/07: Atlético Paranaense 4×0 Vitória
19ª rodada – 19/08: Atlético Paranaense 3×0 Flamengo
21ª rodada – 25/08: Atlético Paranaense 2×1 Grêmio
15ª rodada – 29/08: Atlético Paranaense 1×0 Vasco
22ª rodada – 02/09: Atlético Paranaense 2×0 Bahia
25ª rodada – 16/09: Atlético Paranaense 3×1 Fluminense
26ª rodada – 23/09: Atlético Paranaense 3×0 Paraná Clube
28ª rodada – 06/10: Atlético Paranaense 4×0 América
29ª rodada – 14/10: Atlético Paranaense 4×0 Sport
31ª rodada – 27/10: Atlético Paranaense 2×1 Botafogo

PREMIAÇÕES



Quem avançar de Atlético-PR e Bahia embolsa uma quantia considerável. Somando todas as premiações, o Esporte Clube Bahia já recebeu algo parecido com US$ 1,4 milhão. Ambos receberam R$ 930 mil pela primeira fase, R$ 1,1 milhão pela segunda, R$ 1,4 milhão pelas oitavas e R$ 1,7 milhão pelas quartas. Quem chegar à semifinal, embolsa mais R$ 2 milhões, chegando a um total de R$ 7,1 milhões. O vice-campeão lucra R$ 4,4 milhões e o campeão a bolada de R$ 9,2 milhões.

PREMIAÇÕES POR FASE
Na Copa Sul-Americana 2018
1ª fase: US$ 250 mil (R$ 930 mil)
2ª fase: US$ 300 mil (R$ 1,1 milhão)
Oitavas: US$ 370 mil (R$ 1,4 milhão)
Quartas de final: US$ 450 mil (R$ 1,7 milhão)
Semifinal: US$ 550 mil (R$ 2 milhões)
Vice-campeão: US$ 1,2 milhão (R$ 4,4 milhões)
Campeão: US$ 2,5 milhões (R$ 9,2 milhões)

VAR PELA PRIMEIRA VEZ NA BAIXADA
O sistema de árbitro de vídeo foi fundamental para o triunfo do Atlético Paranaense do jogo vencido por 1 x 0 na Arena Fonte Nova, através da sua interferência dois gols do Bahia foram anulados. Ambos discutíveis até mesmo com a intervenção da novidade que não meu entendimento está sendo mal utilizado. O sistema será utilizado novamente, sendo pela primeira em jogos do Atlético-PR na Arena de sua propriedade.

DESFALQUE DO ATLÉTICO 
Zero desfalque para o time paranaense. O time que enfrenta o Bahia só tem uma única dúvida no meio-campo. Os volantes Lucho González, Bruno Guimarães e Wellington disputam duas vagas. No último jogo pela Sul-americana, os escolhidos foram Wellington e Lucho, mas o argentino foi sacado na segunda etapa para a entrada de Bruno Guimarães.

O Atlético-PR deve formar com Santos; Jonathan, Paulo André, Léo Pereira e Renan Lodi; Wellington (Bruno Guimarães), Lucho González e Raphael Veiga; Nikão, Marcelo Cirino e Pablo.

DESFALQUE DO BAHIA
O grande destaque do Bahia deve ser o atacante Gilberto ainda se recuperando de lesão. Edigar Junio deve ser mantido. Em contrapartida terá os retornos do meia Zé Rafael, que não enfrentou o Corinthians em jogo pelo Brasileirão por suspensão.

O Bahia deve ser escalado com: Douglas Friedrich; Nino Paraíba, Jackson, Lucas Fonseca e Léo; Gregore, Nilton, Zé Rafael, Ramires e Vinícius (Élber ou Paulinho); Edigar Junio.

ADVERSÁRIO NA SEMIFINAL

O adversário de Bahia ou Atlético sairá do confronto entre o Nacional do Uruguai e o Fluminense do Rio de Janeiro. O jogo acontece nesta quarta às 19h30 no Estádio Parque Central, em Montevidéu. O duelo de ida, no Rio de Janeiro, terminou empatado em 1 a 1 e quem ganhar agora vai avançar, sendo que nova igualdade por um gol forçará a disputa de pênaltis. Por conta do critério de desempate dos gols marcados como visitante, o Nacional avança em caso de empate sem gols, enquanto que igualdade a partir de 2 a 2 resolve o problemas para os brasileiros.  Fora isto, quem ganhar leva.

Veja a provável escalação do Bahia para a decisão contra o Atlético-PR

Com apenas uma dúvida, Atlético pronto para enfrentar o Bahia pela Sul-Americana

Deixe seu comentário

1 Trackback / Pingback

  1. enlightened marketing

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*