A Torcida do Bahia mudou! Que bom!

É preciso respeitar quem pensa diferente!

Fala, Nação Tricolor.

Após o apito final da partida contra o Altos/PI a Torcida do Bahia se dividiu nas redes sociais. De um lado alguns achavam um absurdo a atitude de quem foi ao estádio, vaiou o time e aplaudiu o gol de virada dos piauienses. Do outro, os mais exaltados, concordavam com a atitude. No Esporte Interativo, no +90, um jornalista afirmava não entender a revolta da Torcida, o pedido de “Adeus, Guto” e a insatisfação com o ano do Bahia. Falar de fora é fácil, papá. Vamos aos fatos.

Pra começar, nunca vaiei meu time em estádio, nem comemorei gol adversário. Mas daí a me julgar superior a quem tem essa atitude de revolta, são outros quinhentos. Ninguém vai ao estádio para vaiar. Queremos é gritar Gol do Esquadrão!

Agora, pensa comigo: havia motivos para as vaias ao time?

Claro que sim. O Bahia fez um primeiro tempo pífio. A Torcida estava virada na porra com o treinador. Por causa da falta de organização em campo, da insistência com Kayke, com o 4-1-4-1, com o trágico 0x0 em Juazeiro, com a derrota pro Náutico, com o jogo maluco contra a Juazeirense que teve gol contra em cobrança de lateral e outro no bufo-bufo, com triunfo aos 47 do segundo tempo em cima do lanterna Atlântico, em plena Fonte Nova, e é claro, com os 50 minutos sem gols diante de um fraquíssimo Altos do Piauí, numa terça-feira as 21:45h.

Aí sai o gol de cabeça de Tiago. A Torcida explode! Festa nas arquibancadas. Era a hora dele correr pra Bamor, chamar a galera pra jogar junto com o time e ele fez o quê? Foi abraçar o Treinador questionado pela Torcida. Ou seja, o capitão preferiu agradar ao chefe do que a Nação Tricolor. Resultado: tomou vaia comemorando gol. 1×0.

Mas o diabo é sujo. No lance seguinte, o queridinho de Guto perde gol de cara com o goleiro. Na sequência, os caras empatam. Pra piorar, quase na saída de bola, gol contra de Tiago. Foi a “deixa”. A Torcida aplaudiu o gol dos caras, de forma irônica, e começou a cantar “Adeus, Gutô”. Vaias justas, aplausos ao gol do adversário, mais que justificado, já que naquele momento, a situação do grupo estava complicadíssima para o Bahia. Só quem vai à Fonte sabe como dói ver seu time tomar uma virada daquelas.

Porém, o Bahia acordou. Guto tirou seu pupilo, trouxe Edigar pra o lugar onde ele se destacou no final do ano passado no Brasileiro, com Carpegiane, e deu a lógica. O Bahia fez 2 com Edigar Junio, que ainda deu assistência pra Vinicius fazer o 5º. A Fonte Nova aplaudiu o golaço do gigante, e onipresente, Zé Rafael. 5×2 fora os 4 gols perdidos pelo garoto Marco Antonio, que entrou bem melhor que Kayke.

Bora Baêa Minha Porra!

Ficar em rede social “cornetando” quem “corneta” no estádio e fica puto com o time, é muito fácil. Ir para o estádio e querer que todos torçam como você torce, é maluquice. Cada um reage de uma forma e motivos para a Torcida estar pirada, não faltam.

Falar que a Torcida está chateada com Guto por causa da saída dele ano passado é desonestidade ou desconhecimento de causa. Se o Bahia não tivesse sofrido pra ficar em segundo no Ednaldão ou já estivesse classificado pra próxima fase da Copa do Nordeste, ninguém estaria pedindo “Fora Guto”. O problema é que ele não se ajuda. Vamos ver nas rodadas decisivas das duas competições como se comporta o time.

As vaias não foram para o time, e sim, para o treinador. Culpado pelo futebol sonolento que o Bahia vem apresentando. Tirar o foco disso e querer jogar parte da culpa pra Torcida é quase imoral.

A Torcida do Bahia mudou”. Claro que sim, o time também. E eu prefiro vaias ao time, na Série A, na Sulamericana, nas finais da Copa do Nordeste, do que ficar comemorando gol de Charles em cima do Fast Clube, aos 50 minutos do segundo tempo, em octogonal de “Cerei c”. Esse saudosismo, eu não tenho.

Deixe seu comentário