Bellintani se emociona, pede perdão por falhas e foca na transição da SAF

"O Bahia é o mundo, como nossa torcida diz”, disse o presidente.

Foto: Reprodução/TV Bahêa

O Esporte Clube Bahia oficializou neste sábado (03) a venda da SAF para o Grupo City. A decisão foi tomada pelos sócios-torcedores, que aprovaram a proposta com 12.761 votos. Dos 19.325 sócios aptos a votar, 12.949 participaram da AGE. Desses, 12.761 (98,6%) votaram SIM, pela venda de 90% da SAF do conglomerado árabe, enquanto 178 (1,37%) votaram pelo não. Foram apenas 10 abstenções. Após o resultado, o presidente Guilherme Bellintani deu um pronunciamento, e estava bastante emocionado. Com os olhos cheios de lágrimas, o gestor pediu perdão pelos erros cometidos, agradeceu ao apoio da torcida, e prometeu um Bahia voando.

 

“Queria agradecer a minha família que esteve junto comigo sempre. Não é fácil ser presidente do Bahia, não é para qualquer um, é preciso ter resiliência, e sem as pessoas que estiveram ao meu lado eu não teria conseguido. Perdão pelas minhas falhas e obrigado pelo apoio. Estarei aqui sempre inteiro, até o último minuto para fazer essa transição da melhor forma. Quem passou pelo que passamos e está de pé, pode ter certeza que a gente vai voar lá na frente. O Bahia é o mundo”, celebrou Bellintani.

“Hoje nossos sócios tomaram uma decisão histórica e democrática, nos aproximando de formar parte do maior e mais pioneiro grupo de futebol do mundo e de um novo futuro para o nosso querido e ousado clube, por meio do Bahia SAF. É muito emocionante que o nosso querido clube esteja prestes a formar parte do City Football Group. Continuaremos trabalhando duro nos próximos meses para finalizar o investimento. Para mim, pessoalmente, é um momento incrível na minha vida, ainda mais pelo retorno imediato à Série A. Obrigado a todos pela confiança e vamos em frente. O Bahia é o mundo, como nossa torcida diz”.

O fundo árabe vai desembolsar um aporte de R$ 1 bilhão pela aquisição de 90% da SAF do Bahia em até 15 anos. A associação civil permanecerá na sociedade com participação minoritária, por meio de seus 10%. Desse valor, R$ 500 milhões serão destinados para a compra de jogadores, R$ 300 milhões para o pagamento de dívidas, e R$ 200 milhões para infraestrutura, categorias de base, capital de giro, entre outros.

Autor(a)

Fellipe Costa

Administrador e colunista do site Futebol Bahiano. Contato: futebolbahiano2007@gmail.com

Deixe seu comentário