“Os erros custam caro”, diz técnico Ramon Menezes após derrota para o CSA

Ranom culpas as contusões pela derrota

O Esporte Clube Vitória acumulou mais uma derrota no Campeonato Brasileiro da Série B, a sexta em 14 jogos de uma competição que já disputa há três anos sem ameaçar em nenhum momento o acesso, transformando a permanência como seu mérito principal, ainda assim, na base do sofrimento. Desta vez, perdeu o CSA por 2 x 1, ainda assim, se manteve na 15ª posição, porém, pressionando pelo Londrina, Ponte Preta e Cruzeiro todos com 12 pontos na redondeza da zona de rebaixamento. Para complicar, o Leão enfrenta na próxima rodada (sábado) o Avaí que vem de uma sequência de três vitórias consecutiva e hoje à tarde encara o Brasil de Pelotas em Santa Catarina, Porém, antes desta partida o Leão encara o Grêmio pela Copa pelas oitavas de final da Copa do Brasil nesta terça-feira às 19h no Estádio Manoel Barradas Carneiro.

 

Na tradicional entrevista após o jogo treinador técnico Ramon sensivelmente aborrecido lamentou as ausências do atacante Wesley sofreu lesão no tornozelo e o atacante Dinei machucou o joelho e foram substituídos ainda no primeiro tempo.

– Nós, hoje, entramos na partida, de uma certa maneira, concentrados. Fizemos um jogo equilibrado no começo. Depois, deixamos o CSA gostar do jogo. Eles tiveram o controle das ações, depois dos 30 do primeiro tempo. Perdemos dois jogadores no primeiro tempo. Quando há essas trocas, você só tem uma parada e tem que fazer as substituições no intervalo. No segundo tempo, nós cometemos esses dois erros. Eu costumo dizer que são erros coletivos. Nós tomamos um gol de bola parada novamente, uma situação que a gente treina muito. A gente está extremamente chateado. Temos que passar confiança para os jogadores, porque já temos outra competição, contra um grande clube. Então, temos que recuperar a partida – disse Ramon.

Ramon reconhece que o time ainda erra em algumas situações e acredita que somente com muito trabalho conseguirá corrigir os problemas e o Vitória começar a se recuperar na competição.

“Desde que eu cheguei, venho falando muito do equilíbrio. Nós estamos pecando em algumas situações, tomando gols que treinamos muito. Tomamos um gol de bola parada contra o Brasil, que não pode acontecer. Quem vê, acha que a gente não treina. Mas a gente treina muito bola parada. Um erro desse custa caro. Hoje, novamente, tomamos um gol de bola parada, de escanteio. É buscar novamente o equilíbrio e continuar trabalhando”, afirma.

 

Comentários:

1 Comentário

  1. O PROBLEMAS NÃO É O “ERRO”, SÃO OS ERROS ACUMULADOS E NA TEIMOSIA EINSISTÊNCIA COM JOGADORES RUINS COMO (CEDRIC, DEVID, SAMUEL, BOBOTA, GUILHERME, ETC) O QUE ACONTECE É QUE ESSES PARECEM FAZER ROZIOS DE FALHAS (A CADA JOGO UM DESSES FALHAM), QUEM O ESCALA? RAMON OU ……
    E, FORA O ESQUEMA CORVARDE QUE PRESENCIAMOS AO LONGO DESSSA SERIE B.
    RUMO A SÉRIE C

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*