Um espetáculo vergonhoso com VAR e tudo – por Erick Cerqueira

Nada a comemorar. O time só achou a bola quando o Goiás se encolheu

Um primeiro tempo horroroso com baixíssimo nível técnico, passes errados aos montes, entregada ridícula de Capixaba, Gilberto se batendo com Clayson e o 25 fazendo a jogada mais bizarra que já vi no futebol. Já o segundo tempo, entrará nos anais da CBF…

 

Primeiro queria explicar porque não escrevi ontem. Estava muito pu… revoltado e minha erudição de lord britânico, da Praça da Inglaterra, não permite que fale palavrões diante das Torcedoras Tricolores que nos acompanham. Mas vamos ao segundo tempo, porque o primeiro foi só aquilo que falei ali em cima, mesmo.

Depois de 45 minutos de muitos cruzamentos errados de Rossi e Nino numa atuação medíocre, e Clayson titular (meu deus, o que foi aquilo?), veio a segunda etapa sem nenhuma alteração. A gente entende que técnico tenta consertar elenco na conversa, e dá mais 10 minutos pra ver  que acontece e tal. Mas aí o castigo veio em 3 minutos. Bola enfiada pra Shaylon, sozinho, nas costas de Nino, que cruza pra área e gol dos caras. 1×0 pro lanterna virtualmente rebaixado do campeonato (até o momento, todos os times que viraram o turno na lanterna, caiu, e dificilmente não será o esmeraldino).

O Bahia partiu pra cima pra buscar o resultado e o Goiás se retraiu. Elias foi o destaque no ataque, sim, isso mesmo. Chegou na cara do gol 3 vezes e chutou jogou pra fora. Gilberto só apareceu pra se machucar, 2 vezes, e dar uma assistência perfeita pra Elias chutar pra fora. O 25 fez até boas viradas de jogo no início mas depois da bizarrice, sumiu.

Aí começou o show de horrores de Rodrigo Carvalhaes de Miranda. Foram erros absurdos. Dentre os maiores, 3 em 15 minutos, definiram o jogo.

Rossi tomou uma pancada no joelho, no meio do campo, o juiz mandou seguir. Foi reclamar e tomou amarelo. Substituído aos 30 minutos, saiu chutando garrafa de água e foi expulso fora de campo. Quatro minutos depois, Elber dispara num contra-ataque e sofre uma falta ainda mais clara. O juiz não marca, de novo, o jogador se irrita (com razão), xinga ele (sem razão) e é toma um vermelho direto. Aos 43 o zagueiro chuta a perna de Fessin, dentro da área, num pênalti escandaloso. Ele não marca. O VAR chama ele pra consertar a merda que fez e ele insiste no erro. Aí eu preciso dar razão a Mano Menezes. Será que essa rodada vão detonar a atitude do árbitro como detonaram ele no jogo contra o Fluminense? TODOS os comentaristas de arbitragem, TODOS que viram o mesmo lance no vídeo, que ele, disseram: pênalti claro. o Salazar só acerta a perna de Fessin e não toca a bola. Mas só o vagab… digo, o Sr Rodrigo não enxergou o óbvio. 

O Bahia poderia ter volta a zona de rebaixamento por causa de um juiz ridículo e sem nenhuma condição apitar um jogo de Série A. Mas, o Bahia com um a menos é sempre melhor que com um a mais. Fessin mata no peito e faz um golaço, para empatar a parada e dar números finais ao jogo. 1×1. 

Um empate para comemorar, mas prefiro acreditar que perdemos 2 pontos por erros de Elias e da arbitragem.

BORA BAÊA MINHA PORRA!

Nada a comemorar. O time só achou a bola quando o Goiás se encolheu (assim como no jogo do Sport).

Infelizmente, foi um espetáculo patético, com 14 cartões, sendo 5 vermelhos e tendo um protagonista ridículo. Expulsões sem a menor justificativa, como a dos dois treinadores, erro num lance capital (que poderia ter dado o triunfo ao Bahia), além de errar em faltas e irritar os 2 times que já vivem situação complicada e tensa no campeonato. A CBF ‘puniu’ Mano Menezes colocando esse senhor medíocre para apitar um jogo tão importante. O futebol brasileiro é uma vergonha, com ou sem VAR!

 

 

Deixe seu comentário

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*