Bahia x Atlético-MG: O Duelo dos tostões contra os milhões!

Atlético-MG, com apoio de investidor, investiu pesado no elenco

Adversário do Esporte Clube Bahia hoje à noite, em um dos jogos que fecham a 17ª rodada do Campeonato Brasileiro da Série A, o Atlético Mineiro continua desembolsando altos valores para montar um time competitivo para conquistar o seu segundo título brasileiro, o primeiro e único foi no já distante ano 1971 na época comandado por Telê Santana e Dada Maravilha, um fora e outro dentro de campo. A pedido do técnico argentino Jorge Sampaoli, a proposta do clube para 2020 é ter no elenco pelo menos duas opções de qualidade em cada posição. Nesta política cara, a ultima contratação foi do meia Matías Zaracho, ex-Racing, da Argentina.

 

De acordo com informações do site mineiro Superesportes, tendo como suporte financeiro a construtora MRV, o Galo se comprometeu a pagar US$ 6 milhões – cerca de R$ 33,7 milhões – por 50% dos direitos econômicos do jogador Matías Zaracho, de 22 anos, vinculado até outubro de 2025.

Com a oficialização de Zaracho na sexta-feira, o alvinegro alcançou R$ 178,3 milhões na aquisição de atletas em 2020. Os R$ 33,7 milhões repassados ao Racing representam um recorde na história do clube, que havia desembolsado R$ 27 milhões por 70% dos direitos do atacante Yimmi Chará, ex-Junior Barranquilla, da Colômbia, em junho de 2018.

Alguns dos atletas que chegaram à Cidade do Galo a peso de ouro se tornaram titulares absolutos e indispensáveis no estilo de jogo de Sampaoli, como o zagueiro paraguaio Junior Alonso, ex-Lille-FRA (R$ 18 milhões), e o volante equatoriano Alan Franco, ex-Independiente del Valle-EQU (R$ 12,6 milhões). Já o atacante baiano Keno, artilheiro da equipe no Brasileirão, com oito gols em 15 partidas, foi comprado com recursos próprios do Atlético por R$ 12 milhões. Ele defendia o Pyramids, do Egito.

No acordo com Rubens Menin, presidente da MVR, o Atlético obtém o empréstimo para investir no time. Se realizar uma venda futura, devolve o dinheiro sem juros ao empresário, além de ficar com uma eventual diferença de valores. Vale ressaltar que Rubens Menin segundo a revista Forbes, tem um patrimônio pessoal que gira em torno de R$ 10 bilhões.

Os quase R$ 180 milhões aplicados em reforços – cerca de R$ 165 milhões com o aporte de Menin – correspondem a 46% do orçamento de R$ 388 milhões para 2020 aprovado pelo Conselho Deliberativo do clube em dezembro de 2019. Nesse documento, a diretoria estipulou R$ 20 milhões em aquisições de direitos econômicos.

As contratações geraram grande reformulação no grupo atleticano, que teve várias saídas em 2020, como as do lateral-direito Patric, do lateral-esquerdo Lucas Hernández, do zagueiro Iago Maidana, do volante Ramon Martínez, dos meias Otero e Cazares e dos atacantes Ricardo Oliveira e Di Santo. O Galo ainda faturou com as vendas do goleiro Cleiton ao Bragantino (R$ 23,6 milhões) e do atacante Chará ao Portland Timbers, dos Estados Unidos (R$ 26 milhões).

O orçamento do clube para 2020 foi projetado antes da pandemia em R$ 388 milhões, enquanto o Esporte Clube Bahia projetou R$ 179 milhões, podendo alcançar os R$ 200, orçamento muito bom e o maior da sua história, porém, a paralisação do futebol afetou a todos os clubes, diminuindo drasticamente as suas receitas. Apesar do orçamento não tão distante, principalmente se considerarmos que o Bahia passou muitos anos sendo maltratado por antigas gestões incompetentes e ainda tenta se reerguer aos poucos depois da intervenção, o investimento no futebol entre os dois times é muito distante, é claro, por conta do investidor, já que o Galo tinha dificuldades financeiras na hora de contratar.

Se o Galo investiu pesado, o Bahia trouxe no início do ano Clayson (pagando R$ 3 milhões ao Corinthians), além de Rossi e Daniel que vieram sem “custos”, já que tinham contrato encerrando com seus clubes. Os outros vieram por empréstimo. Agora chegaram Anderson Martins e Elias, ambos também livres no mercado. Sabemos que apesar do poderio financeiro para contratar, dentro de campo é 11 contra 11, e o Esquadrão se jogar com vontade, tem condição de obter os 3 pontos, necessários para se afastar do Z4.

Contratações do Atlético em 2020

Rafael (goleiro) – sem custos

Everson (goleiro) – R$ 6 milhões

Mailton (lateral-direito) – R$ 1,4 milhão

Mariano (lateral-direito) – sem custos

Guilherme Arana (lateral-esquerdo) – R$ 11,7 milhões *

Bueno (zagueiro) – R$ 1,5 milhão

Junior Alonso (zagueiro) – R$ 18 milhões

Léo Sena (volante) – R$ 4 milhões

Alan Franco (volante) – R$ 12,8 milhões

Allan (volante) – R$ 16,3 milhões

Hyoran (meia) – sem custos

Nathan (meia) – R$ 18 milhões *

Matías Zaracho (meia) – R$ 33,7 milhões

Dylan Borrero (meia) – R$ 4,5 milhões

Savarino (atacante) – R$ 8,6 milhões

Keno (atacante) – R$ 12 milhões

Marrony (atacante) – R$ 20 milhões

Eduardo Sasha (atacante) – R$ 9,8 milhões

Diego Tardelli (atacante) – sem custos

Deixe seu comentário