Rodriguinho quer fazer história no Bahia e mira título da Sul-Americana

Meia enalteceu o projeto do clube e elogiou a estrutura da Cidade Tricolor

Foto – Felipe Oliveira/EC Bahia

Contratado com vínculo até o final de 2021 para vestir a camisa 10 do Esporte Clube Bahia após rescindir seu contrato com o Cruzeiro, o meia Rodriguinho chegou ao clube exaltando o fato de o clube pagar salários em dia, além disso, enalteceu o projeto apresentado pela diretoria tricolor. O jogador vinha de uma temporada desastrosa na Raposa, com crise profunda financeira, falta de pagamento e um rebaixamento para a Série B do Campeonato Brasileiro. No Esquadrão, Rodriguinho sonha alto e afirmou em entrevista ao programa “O Donos da Bola”, da TV Bandeirantes, que quer fazer história no Tricolor Baiano e mira um título da Copa do Nordeste, Copa Sul-Americana e um bom Brasileiro, brigando por vaga na Libertadores.

 

“Quero fazer história no Bahia, levar a um título da Copa do Nordeste, da Sul-Americana e fazer um bom Brasileiro para buscar [uma vaga na] Libertadores”, declarou em entrevista ao Os Donos da Bola, da Band, nesta sexta-feira, 26.

Questionado pelo Craque Neto o motivo que o levou a escolher o Bahia, Rodriguinho afirmou que foi “pelo fato do presidente ter um projeto muito bom arrojado”, para tornar o Tricolor “a potência que deveria ser”. “O clube evoluiu. Temos uma mega estrutura, um time competitivo e um grande treinador [Roger Machado]”, declarou o jogador.

Rodriguinho só conseguiu entrar em campo em dois jogos, contra Confiança (saindo do banco) e contra o América-RN (como titular). Depois disso, o futebol foi paralisado em virtude da pandemia do coronavírus. Ele falou sobre a possível volta do futebol. “Está na hora de voltar, com toda segurança possível. Se todos os atletas concordarem e acharem viável, seria interessante”, opinou o meia, que se apresentou ao Bahia pouco antes da pandemia de coronavírus.

Rodrigo Eduardo Costa Marinho, nordestino nascido em Natal-RN, no dia 27 de março de 1988), tem 1.77 de altura. Revelado pelo ABC, onde conquistou os Estaduais de 2007 e 2008 e o acesso à Série B do Brasileiro, fechou com o Bragantino em 2010 e lá também se destacou. Comprado pelo América-MG em 2011, chamou a atenção de equipes nacionais e internacionais e terminou se transferindo para o Corinthians, em 2013.

Antes da grande fase no alvinegro, defendeu o Grêmio e o árabe Sharjah, por empréstimo, em 2014. De volta a São Paulo, ganhou seu primeiro Brasileirão e virou protagonista do time a partir de 2016. No ano seguinte, levantou os troféus do Paulista e do Campeonato Brasileiro. Em 2017, foi convocado duas vezes por Tite, com quem trabalhou, para a seleção brasileira. Em 2018, faturou mais um Estadual.

Contratado pelo Cruzeiro para suprir a saída do uruguaio Arrascaeta ao Flamengo, em janeiro de 2019, Rodriguinho marcou 8 gols nos primeiros 22 jogos da temporada. Pela Libertadores, foram 3 gols em 5 jogos. Sagrou-se campeão mineiro e depois se lesionou. Recuperado, disputou duas partidas em 2020. Por conta de salários atrasados, chegou a um acordo com a Raposa e rescindiu seu contrato acertando em seguida com o Bahia.

Autor(a)

Fellipe Amaral

Administrador e colunista do site Futebol Bahiano. Contato: [email protected]

Deixe seu comentário