Ex-dirigente do Bahia conta detalhes da contratação de Romagnoli em 2014

"Não rendeu nosso camisa 10, mas rendeu um bom dinheiro", disse

Romagnoli recebe o carinho dos tricolores ao desembarcar no aeroporto (Foto: Evandro Veiga)

Em maio de 2014, o Esporte Clube Bahia desembolsou 50 mil dólares como adiantamento para assinar um pré-contrato com o meia Leandro Romagnoli, na época com 33 anos e destaque do San Lorenzo, da Argentina, que chegaria para ser o tão aguardado camisa 10. O jogador desembarcou em em Salvador em agosto, após a Copa do Mundo, porém, não para ser anunciado como reforço do Esquadrão, mas sim para buscar uma forma de romper o pré-contrato. O argentino teve uma recepção calorosa no aeroporto da capital baiana, vestiu a camisa do clube, foi cercado por torcedores, no entanto, foi a única vez que vestiu o manto tricolor. Ele alegou que se arrependeu de assinar o pré-contrato justamente porque não poderia disputar o Mundial de Clubes pelo San Lorenzo, campeão da Libertadores de 2014, e para quebrar o acordo, devolveu os U$ 50 mil dólares que havia recebido como luvas e também pagou a indenização de U$ 250 mil dólares ao Bahia, com ajuda do clube argentino. O Bahia, na época comandado por Fernando Roth Schmidt, cobrava U$ 500 mil, multa que constava no contrato assinado.

 

Vice-presidente do Bahia entre setembro de 2013 e dezembro de 2014, Valton Pessoa contou detalhes da contratação do argentino, durante a live com a página “Simplesmente Bahia”. Ele revelou que em viagem a Buenos Aires, foi oferecido alguns atletas ao clube por um motorista de van que também era empresário. Em tom de brincadeira, Valton mostrou uma revista onde destacava o camisa 10 do San Lorenzo na capa e falou “Só contrato se for esse aqui, e riu”. Dias depois, o empresário liga avisando que Romagnoli estava disposto a jogar no Bahia.

“Cinco dias depois que eu cheguei em Salvador, esse cara me liga e diz que Romagnoli está disposto a jogar no Bahia. Uma pessoa dizendo ser Romagnoli falou comigo, negociei ao telefone, mas eu não acreditei. Pedi para ir a Argentina, porque achei que era blefe. Romagnoli era o melhor jogador do futebol argentino naquele ano. Acabou que deu certo, fizemos o contrato. Só que ninguém imaginava que o San Lorenzo chegaria na final da Libertadores naquele ano, nem o próprio jogador. Romagnoli chegou a vir para cá e acabamos ganhando um bom dinheiro com isso, porque saiu sem jogar e pagou a multa sem que o Bahia tenha gasto nenhum valor. Não rendeu nosso camisa 10, mas rendeu um bom dinheiro e alguns bons sócios na época”.

Nascido em Buenos Aires, Leandro Atilio Romagnoli começou no San Lorenzo e acumulou passagens por Veracruz, do México, Sporting, de Portugal. Retornou ao San Lorenzo em 2009 ficando até 2018, quando anunciou sua aposentadoria do futebol, aos 37 anos.

 

Deixe seu comentário!

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*