Ao contrário de Vasco e Flamengo, Corinthians se posiciona contra o retorno do futebol agora

O clube também presta solidariedade a cada brasileiro afetado por doença.

Falar, projetar e pressionar o retorno imediato do futebol exatamente no auge da crise, de mortes, com a curva da pandemia ainda em ascensão é sem qualquer dúvida ignorar a realidade numa insensibilidade cruel, além de um ato de desumanidade e desapreço com os quase 25 mil mortos pelo Brasil afora, aliás como almeja, quer e pressionam e trabalham politicamente, o Clube de Regatas do Flamengo e Vasco da Gama, ficando apenas nos limites dos cariocas. Outros clubes fogem deste tipo de crueldade, como o próprio Esporte Clube Bahia, Vitória, Botafogo e Fluminense que já se manifestaram contrário ao retorno de qualquer jeito e custe o que custar baseando-se em um protocolo contestado pela maioria.

 

Outro a se posicionar, foi o Corinthians que divulgou carta na manha desta 26 onde afirma que clube segue contra a retomada. Para justificar a posição, o clube usou como exemplo o futebol alemão, que voltou com as atividades da Bundesliga recentemente. Em seu ponto de vista, tudo aconteceu pelo fato de que os governos, times e federações entraram em consensos e trabalharam juntos em prol de resolver o problema. O clube também presta solidariedade a cada brasileiro afetado por doença.

Veja a carta na íntegra:

“Depois de 23 mil mortes causadas pela Covid-19, todo debate é menor. Por isso, em nome do Corinthians, manifesto antes nossa solidariedade a cada brasileiro afetado por doença, luto, ou prejuízo profissional. Tudo isso importa.

E é legítimo que o futebol – como qualquer setor – procure saídas junto ao governo federal e a seus respectivos estados, prefeituras e federações, a fim de impedir um aprofundamento da crise na atividade. É preocupante, porém, que o Brasil viva um cenário muito diferente daqueles países que retomam suas ligas.

A queda de receitas já obrigou muitos clubes a executar cortes e demissões. O Corinthians tem adotado medidas de austeridade, como a redução temporária de salários e jornada, apoiada na MP 936. Fazemos e refazemos as contas diariamente, mas somos realistas: trata-se da pior epidemia no país nos últimos 100 anos, e nenhuma atividade econômica sairá dessa sem transformações inevitáveis.

No Corinthians, não será diferente. O que não muda é o nosso compromisso com um futebol forte como carro-chefe e a parte social como tradição, e é para isso que estamos trabalhando. Como também vemos o clube como um veículo capaz de impactar mais de 30 milhões de torcedores via mídias digitais, levamos informação útil e iniciativas solidárias, com o sonho de terminar a pandemia sem nenhum torcedor a menos.

Somos testemunhas dos elogiáveis esforços da CBF, da Federação Paulista de Futebol e de outros clubes. Mas é preciso repensar, de forma ampla, o papel do futebol e sua influência nesse jogo.

Na Alemanha, houve diálogo intenso entre todos os agentes políticos e esportivos, e um princípio foi claro para a Bundesliga: o futebol não pode se antecipar ao controle da pandemia. Quando a sociedade confiou no sucesso do combate alinhado entre governo e estados alemães, a Bundesliga finalmente retomou seus jogos em sincronia, no último dia 16. Houve responsabilidade com seu produto, seus astros e seu público.

O futebol brasileiro, porém, caminha para outra direção.

Se o combate ao vírus não tem alinhamentos entre os governos, no futebol as reações estão ainda mais fragmentadas. Com decisões facultadas aos Estaduais, criam-se ruídos. O futebol perde muito como produto quando transmite que, para a bola rolar, basta decidir qual clube está mais pronto, ou qual estado está mais disposto a riscos, enquanto se somam mais de mil óbitos por dia.

Em 2020, a Série A tem 20 clubes de nove estados, cada um com panoramas distintos da doença. Isso pede um trabalho mais coordenado entre governos, clubes e federações. Num esporte coletivo, não dá para jogar sozinho.

Sem isso, qualquer retorno apenas adiará a próxima pausa forçada, em que os clubes vão, de novo, agonizar. Como negócio sustentável, o futebol só poderá voltar depois de uma articulação eficiente, focada tanto no bem-estar das pessoas quanto na segurança da Saúde nos estados envolvidos.”

Deixe seu comentário

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*