Bahia recebeu consultas de clubes da Europa e da Ásia por Gregore, diz site

Palmeiras terá concorrência para contratar o volante de 26 anos

A pandemia do coronavírus não paralisou somente as competições no futebol brasileiro, como também algumas negociações entre clubes. É o caso do volante Gregore, que vem sendo desejado pelo Palmeiras, no entanto, as conversas foram interrompidas por conta da incerteza sobre o prazo de reinício da temporada e também de um bom desfecho da negociação com o Esporte Clube Bahia, que recusou a primeira investida do clube paulista – especulada em  2,5 milhões de dólares (cerca de R$ 12,7 milhões na cotação atual) por 50% dos direitos econômicos, segundo o jornalista PVC. O presidente Guilherme Bellintani avaliou a proposta muito abaixo do que quer para aceitar negociar o volante de 26 anos.

 

A diretoria alviverde abriu também a possibilidade de envolver atletas de seu atual elenco na negociação, ainda assim, vê como difícil um desfecho positivo, além disso, deve ter concorrência no meio do ano quando abrir a janela de transferências do futebol do exterior. De acordo com informações do Esporte Interativo, o Bahia recebeu consultas de clubes da Europa e da Ásia pelo volante, o que poderia dificultar um acerto com o Verdão, dependendo das cifras e tempo de contrato que podem ser oferecidos ao jogador. Ainda segundo o portal, o diretor de futebol do Palmeiras, Anderson Barros, deixou claro que as negociações serão retomadas assim que houver uma definição em relação ao reinício da temporada de futebol no Brasil.

Em janeiro, o Bahia recusou proposta de US$ 4,25 milhões (cerca de R$ 22 milhões na cotação atual) do Seattle, dos Estados Unidos. O clube baiano vê Gregore como um importante no elenco e também valioso, podendo render uma boa grana ao clube, inclusive, o presidente Guilherme Bellintani em entrevista recente chegou a falar em faturar R$ 30 milhões, quantia fora da cogitação do Verdão que vive um ano de economia.

Gregore chegou ao Bahia como uma aposta após defender o Santos no Campeonato Brasileiro de Aspirantes em 2017, emprestado pelo São Carlos-SP até o final de 2018, no entanto, despontou rápido o que fez com que a diretoria tricolor adquirisse o seu passe em definitivo em maio do ano passado, desembolsando R$ 1 milhão por 50% dos direitos econômicos. Depois, o Bahia acabou comprando mais 40% dos direitos econômicos do camisa 26 (sem revelar valores) passando a ter 90% dos direitos. Seu contrato com o Esquadrão de Aço é válido até 2021.

 

 

Deixe seu comentário

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*