Limitação de técnico no Campeonato Brasileiro 2019: Uma maluquice!!!

"O treinador que iniciar mal, terá que ser mesmo que vai afundar o barco"

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) planeja apresentar aos clubes que vão disputar o Campeonato Brasileiro deste ano algumas novidades, algumas nem tanto assim, o tal do VAR, por exemplo, ainda que novo já apresenta aspecto de cansaço, especialmente pela má utilização na Copa Sul-Americana e na Copa do Brasil do ano passado. O Bahia que o diga. O assistente de árbitro de vídeo funcionou bem na Copa do Mundo quando foi utilizado critério correto, no momento certo e na hora exata dirimiu dúvidas pontuais e colaborou com a lisura dos resultados.

A CBF pretende propor e adotar o VAR em todas as partidas indistintamente assumindo a maior parte dos custos, porém, deve buscar como contrapartida, a aprovação de uma medida que seguramente deve trazer polêmicas se aceita, algo que particularmente não acredito que será fácil.

A entidade também levará para o conselho técnico nesta sexta-feira a proposta de limitação de trocas de técnicos de forma radical, ou seja, o clube só poderá mudar de técnico apenas UMA VEZ durante todo o Campeonato. Por exemplo, o treinador que começa mal e com fraco desempenho terá que ser o mesmo que vai afundar o barco até desaparecer o mastro no fundo das profundezas do oceano sem que o clube possa buscar uma segunda alternativa ou jogar alguma boia no mar atrás de socorro.



A alegação da CBF de propor tal medida, que no meu entender é completamente descabida, seria a “redução dos custos dos clubes”, como se fosse papel da CBF a administração ou a sugestão dos bons modos das finanças dos clubes. O ideal seria que a CBF escolhesse um técnico da Seleção Brasileira e mantivesse pelo tempo que desejasse.

Na verdade, a CBF tenta emplacar um velho pleito da Federação Brasileira dos treinadores de Futebol que comporta entre outras figuras conhecidas os nomes do Vagner Mancini, Dorival Júnior, Jorginho e Silas. Inclusive, existe um projeto que tramita na Comissão de Constituição e Justiça do Senado, que prevê melhorias e garantias à carreira de treinador de futebol no Brasil de autoria do deputado Federal José Rocha.

A proposta prevê a assinatura do contrato de trabalho por um período mínimo de seis meses, além da obrigatoriedade de acerto das pendências contratuais antes de fechar com um novo treinador, fora isto, a participação no direito de arena e da possibilidade de indicar membros para os tribunais de Justiça Desportiva. A primeira parte da proposta, a CBF resolveu chamar para si a responsabilidade.

Deixe seu comentário

4 Comentário

  1. apoio a questão de controle de técnicos, mas não com limitação de número de trocas, sou a favor da forma como é realizada em outros torneios, o clube que demitir o técnico só pode contratar um treinador que não tenha comandado outro clube da mesma série no mesmo campeonato, por exemplo: na 5ª rodada do BR19 o ceará demite lisca, se na 7ª o bahia demitir EM, ele não pode contratar lisca, teria que buscar em outra série ou fora.

  2. Engraçado vai ser o técnico se demitindo pq achou um emprego melhor, aí pode ser, como Guto fez com América e Bahia e o Enderson fez com o América.
    Aí tá bom de mais.

1 Trackback / Pingback

  1. viralstyle

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*