Nonato: Ídolo do Bahia e carrasco rubro-negro que calou o Barradão

 

Quando falamos de Nonato, um dos últimos ídolos genuínos que passaram pelo Fazendão e sétimo maior artilheiro da história do Bahia, com 125 gols, impossível não voltar ao baú no tempo e relembrar a final marcante da Copa do Nordeste de 2002. Naquele ano, o Esquadrão chegou à final contra o Vitória, considerado por alguns como franco favorito para levantar a taça. Só que esqueceram de combinar com o atacante Nonato, carrasco rubro-negro nas duas finais calando o estádio Manoel Barradas com dois gols no empate em 2×2 no jogo decisivo que sacramentou o bicampeonato do nordeste no estádio do rival diante de 23.120 torcedores e na véspera do aniversário de 103 anos do Leão.

 

Antes disso, nas semifinais, o Bahia (2º colocado na primeira fase com 27 pontos, 15 jogos, 8 triunfos, 3 empates e 4 derrotas, 36 gols pró e 21 contra, aproveitamento de 60%) na ocasião treinado pelo craque Bobô despachou o Náutico depois de empatar sem gols no Recife e vencer apertado por 1×0 em Salvador com gol de Nonato, enquanto o Vitória de Arthurzinho e dono da melhor campanha da primeira fase (35 pontos, 15 jogos, 11 vitórias, 2 empates e apenas 2 derrotas, 38 gols marcados e 14 sofridos, aproveitamento de 77.8%) eliminou o Santa Cruz, perdendo em Recife por 2×1, mas revertendo em grande estilo em Salvador, 3×0, com direito a dois de Samir. E a final?

No primeiro jogo da finalíssima, dia 05 de maio de 2002, os 64.689 torcedores presentes na velha e bela Fonte Nova presenciaram um trio de ataque inspirado que brincava de fazer gols e, diga-se, deixou ótimas lembranças e uma saudade imensa. Nonato, Sérgio Alves e Robgol fizeram a festa da nação tricolor no triunfo por 3 a 1. Para se ter uma ideia, juntos os três marcaram impressionantes 32 gols dos 42 do time em toda a competição. Já no duelo decisivo, 12 de maio de 2002, o Vitória vencia por 2×1 até os 40 minutos e bastava um golzinho para levar a decisão para os pênaltis. No entanto, Nonato surgiu novamente e calou o Barradão ao receber cruzamento de Capixaba e marcar de cabeça decretando o empate e o título de bicampeão do Nordeste (2001/2002).

Relembre as decisões:


BAHIA  3×1  VITÓRIA
Local: Fonte Nova (Salvador-BA);
Público: 64.689;
Árbitro: Antonio Pereira da Silva (GO);
Gols: Nonato (BAH) 22, Samir (VIT) 31′ e Sérgio Alves (BAH) 36′ do 1º; Róbson (BAH) 24′ do 2º;
Expulsão: Marcelo Heleno (VIT)

 

VITÓRIA  2×2  BAHIA

Local: Barradão (Salvador-BA);

Público: 23.120; Árbitro: Márcio Rezende de Freitas (PR);

Gols: Róbson Luiz 6′, Nonato 13′, Fernando (pênalti) 21′ e Nonato 40′ do 2º;

Cartões Amarelos: Maurício, Marcos, Índio, Mantena, Nonato e Chiquinho; Expulsões: Aristizábal e Preto

Vitória: Jean, Maurício (Ramalho), Marcos, Índio e Leandro; Xavier, Fernando (Léo Mineiro), Allan Dellon e Róbson Luiz (Samir); André e Aristizábal. Técnico: Arthurzinho.

Bahia: Émerson, Mantena, Marcelo Souza, Valdomiro e Chiquinho; Ramalho, Bebeto Campos, Preto e Sérgio Alves (Capixaba); Róbson (Accioly) e Nonato (Alan). Técnico: Bobô.

 

Deixe seu comentário

6 Comentário

  1. I would like to thnkx for the efforts you’ve put in writing this blog. I am hoping the same high-grade web site post from you in the future as well. Actually your creative writing abilities has inspired me to get my own blog going now. Actually blogging is spreading its wings and growing quickly. Your write up is a good example.

3 Trackbacks / Pingbacks

  1. friv.run/
  2. TV Mounting Services Edinburgh
  3. 우리카지노 쿠폰

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*