E.C Bahia: Elenco de milhões e futebol de centavos!

Esse rebaixamento doloso será um dos maiores vexames da história do Bahia.

Uma palavra resume bem o ano do Esporte Clube Bahia: INCOMPETÊNCIA. De todos os setores, do diretor de futebol Cadu Santoro, dos treinadores, dos jogadores, e até mesmo do presidente Guilherme Bellintani, que mesmo não tendo mais o controle do futebol, deveria estar fazendo cobranças aos membros do Grupo City responsáveis pela gestão do clube. TODOS incompetentes e culpados por essa campanha medíocre, que muito provavelmente deve ser finalizada com o rebaixamento à Série B.

 

Esse rebaixamento doloso será um dos maiores vexames da história do Bahia. No primeiro ano da SAF, com um investimento recorde, salários em dia, estrutura excelente. Nem o mais pessimista dos torcedores imaginava que o Bahia estaria nessa situação caótica. Repito, o Bahia teve um investimento recorde em reforços, o maior de sua história, o segundo maior do futebol brasileiro em 2023 (ficando atrás apenas do Flamengo). Mais de R$ 120 milhões gastos com jogadores, boa parte deles medíocres, que não mereciam estar vestindo a camisa do Bahia.

O que justifica pagar R$ 12,8 milhões em Diego Rosa? R$ 10 milhões em Yago Felipe? R$ 18 milhões em Jhoanner Chávez? R$ 13 milhões em Ademir? R$ 10 milhões em Kanu? R$ 11,7 milhões por Vitor Hugo? R$ 13 milhões por Rafael Ratão?

O diretor Cadu Santoro brincou de gastar dinheiro, e mesmo com todo poderio financeiro à disposição, não foi capaz de montar um elenco ao menos competitivo. Um elenco de milhões com um futebol de centavos, um time fadado ao fracasso, com postura de perdedor, sem brio, sem vontade, sem vergonha na cara. Não vou falar de amor à camisa, porque hoje no futebol isso não existe. O dinheiro move tudo. Mas não precisava jogar com amor, mas com respeito ao torcedor que é o grande responsável pela existência desse clube.

Por falar na torcida do Bahia, essa deu show, quarto melhor média de público da Série A, com mais de 37 mil por jogo. Essa torcida não merece esse time medíocre que foi montado pelo Sr. Cadu Santoro. Mesmo com um futebol medonho dessa equipe, o torcedor sempre esteve presente, por amor do Bahia, não para ver esses jogadores. Ninguém, por mais ruim que seja, merece esse castigo.

Voltando ao Sr. Cadu Santoro, que na minha opinião é o principal responsável pelo fracasso do Bahia em 2023, além de contratar mal, não repor as peças quando necessário, trouxe um treinador amador e insistiu com ele mesmo com resultados decepcionantes. Renato Paiva não foi demitido, ele que pediu para sair, se não o Grupo City morreria abraçado com ele e sua filosofia de futebol que nunca deu resultado.

Renato Paiva saiu, Rogério Ceni chegou, mas não mudou muita coisa e não conseguiu fazer do Bahia um time regular. Até conseguiu vencer mais jogos com o novo treinador, mas a mentalidade de rebaixado permaneceu impregnada no grupo, os erros e oscilações permaneceram. Ceni tem sua parcela de culpa, afinal, insistiu com jogadores que não estavam jogando bem, como Yago Felipe, Vitor Hugo, Everaldo, e bancou todos eles mesmo com o barco afundando.

É impressionante o esforço que o time do Bahia está fazendo para ser rebaixado. Os concorrentes estão ajudando faz tempo, mas o Bahia em nenhum momento se ajudou, uma equipe que viveu de lampejos, como foi aquele inexplicável 5 a 1 sobre o Corinthians, uma obra do acaso. Perdeu pontos importantes dentro de casa contra Vasco, Santos, Athletico-PR, Cuiabá, Goiás, São Paulo, etc. E no último domingo, conseguiu a proeza de perder para o lanterna e rebaixado América-MG, que jogou com 10 desde os 16 minutos do segundo tempo, que não vencia há 3 meses (15 jogos).

O Bahia só não foi rebaixado no domingo porque Santos e Vasco também são incompetentes, Só são rebaixados quatro, mas bem que poderiam cair os SEIS, todos eles merecedores. E agora? Ainda há esperança para o Bahia? Dá para o torcedor acreditar? Se não venceu o lanterna América-MG, vai vencer o vice-líder Atlético-MG, melhor time do returno? Muito difícil acreditar nesse cenário, muito improvável para não dizer quase impossível.

Por mais que seus rivais sejam incompetentes, não é possível vislumbrar o Bahia vencendo o Atlético-MG. Como o futebol é imprevisível, como foi aquele 5 a 1, talvez aconteça um milagre, é isso que o Bahia precisa para se salvar. De um milagre. Esse time que perdeu para o lanterna jogando uma bolinha murcha, se conseguir vencer o Atlético-MG, será o grande milagre do ano.

É capaz da Fonte Nova receber novamente um bom público quarta-feira, mas não porque o torcedor acredita nesse time, apenas por amor ao clube. Mesmo já tendo sofrido muito em 2023, muitos ainda irão para a Fonte Nova, sabendo que a chance do rebaixamento é de mais de 90%. Mas ao menos uma boa notícia, quarta o ano se encerra para o Bahia, e o torcedor felizmente não terá mais que assistir esse time em campo. Isso que ele espera, que em 2024, boa parte desse elenco “de milhões” não esteja mais aqui.

Autor(a)

Fellipe Amaral

Administrador e colunista do site Futebol Bahiano. Contato: futebolbahiano2007@gmail.com

Deixe seu comentário