EC Bahia City: Um bom começo. – Por Erick Cerqueira

Foto: Divulgação/Bahia

Estreia do Bahia City, expectativa de dimensões globais, estádio cheio, estreia de jogadores, de técnico, do time no ano e desci com meu pai e meu filho pra PituAço. Chegamos com uma hora de antecedência, pra evitar tumultos e entramos quase de boa Muita gente com a nova camisa azul clara padrão Manchester City. Mas quem queria ver o Bahia City, recebeu Matheus Bahia, Borel, Rezende, Mugni, Daniel, Jacaré, Caio Vidal e Goulart pelos peitos. Mas com o axé de PituAço, a pipoca barata, os camelôs de besteira, D, Tânia do cafezinho, que herdou o carrinho de meu amigo que ficou cego, mesmo sem City, o clima era de festa e reencontros.

De estreia mesmo só a dupla de zaga e o goleiro. Raul fez uma bela partida, mas é um zagueiro discreto. Principalmente ao lado de Kanivis. que briga, chama atenção, tem espírito de liderança e se aventura a fazer lançamentos. Mas o goleiro, pra mim, foi o destaque do primeiro tempo. Marcos Felipe tem uma saída de bola muito rápida, longa e precisa. Essa ‘fatiada’ na reposição de bola ainda vai dar alegrias a Torcida Tricolor. Escreve aí: esse doido tem potencial de entrar no roll das assistências.

Começa o baba e a Torcida já vibrava como louca. Ao menos a BAMOR que cantou o jogo todo. Em campo um time voltando de férias, ainda sem tanto arranque, mas com muitas mudanças. Poucos recuos de bola pro goleiro, transição rápida pro ataque, compactação das linhas de forma explícita, volantes chegando mais na área, poucos erros de passe e o mesmo time da série b jogando com vontade de série c e qualidade de Série A.

Matheus Bahia faz bom cruzamento mas ninguém aproveita. Jacaré recebe sozinho e se atrapalha com a bola. Caio Vidal acerta o toque mas Jacaré até faz o gol, mas estava impedido. Matheus acerta um tijolaço na trave. A bola volta e a zaga dos caras espana pra lateral. Na cobrança. Mugni chuta cruzado pra dentro da área, a bola passa por todo mundo e Ricardo Goulart abre o placar, fazendo o primeiro gol do Bahia City na história. 1×0.

Com o adversário ainda atordoado o Tricolor foi pra matar o jogo. E três minutos depois, Daniel cruza na área, a zaga rebate mal e sobra no peito de Rezende, que adianta e bate pra fazer o segundo. 2×0 e cabia mais.

O goleiro Marcos Felipe já tinha feito duas ligações diretas pefeitas para o meio. Tentou mais uma e deixou Caio Vidal sozinho, de cara pro guarda-redes adversário. E Caio mostrou porque não deveria estar ali. Chutou em cima do goleirão adversário.
Intervalo de jogo, 2×0, aplausos, festa e coisa e tal.

Segundo tempo na área e os caras começam pressionando. Uma falta bem cobrada pra defesa de goleiro Tricolor. Correria, muita pressão pra roubar a bola do Bahia, dominavam o meio campo e o Tricolor só acordou aos 20 minutos com Jacaré acertaram o zagueiro chutando forte de dentro da área e acertando o zagueiro.

Um minuto depois, o mesmo Jacaré, recebe lindo passe do estrante Biel, e fez o gol. Mas o bandeira deu um impedido, duvidoso, e anulou o gol, de novo. Jacaré lança Daniel, no primeiro pau, mas ele bate por cima da zaga.

Outro estreante, Everaldo, faz boa enfiada de bola pra Jacaré (sempre ele) e dessa vez ele achou Biel no meio da área. Aí foi saco. 3×0.

Depois veio a cochilada do jogo, num escanteio dos caras, mesmo com 8 jogadores do Bahia na área, marcando 6 do Juazeirense, Kesley diminuiu com cruzamento de Clebson. A gente nem se deu conta que tinha sido gol, porque tava fazendo uma festa da porra. E o placar ainda demorou uns 5 minutos pra mudar. Só quem tava no radinho entendeu. 🙂

Na sequência, Biel (bela estreia) coloca Daniel de cara pro gol. Ele deixa o zagueiro no chão e tenta dar um toque por cima, mas na hora do arremate, o ídolo FEIJÃO, tira a bola.

BORA BAÊA CITY MINHA PORRA!

Começamos brocando, com imposição e sem sustos. Ainda tá longe do Bahia City, mas tá bem mais perto do Bahia que joga Baiano pra ganhar. 

Destaque para essa TORCIDA MARAVILHOSA com mais de 24 mil presentes no Estádio.

Detalhe de nota: Quando Feijão entrou em campo pra aquecer, a Torcida do Bahia aplaudiu tanto ele, que ignorou a entrada do Esquadrão.
Os jogadores precisaram aplaudir a Torcida pra chamar atenção e receber aplausos também. Quando o técnico do Juazeirense chamou ele pra entrar no jogo, o homem do milésimo gol do Bahia em campeonatos nacionais, foi ovacionado como um grande ídolo Tricolor. Foi bonito de ver.

 

FALANDO EM TORCIDA… QUE FOTO MARAVILHOSA DO MyPhantomToy 

Autor(a)

Erick Cerqueira

Resenheiro extra-oficial do Único TIME BI CAMPEÃO BRASILEIRO entre Minas Gerais e o pólo Norte. Publicitário da ESC3D, Marketeiro da URSAL, parcial, pai de Thor e apaixonado pelo meu Bahia! Contato: escdesigner@gmail.com

Deixe seu comentário