Bellintani explica transição para a SAF, que pode durar até 9 meses

caso a SAF seja aprovada passará a valer o contrato que já foi assinado

Foto: Divulgação/Rafael Machado/EC Bahia

O Esporte Clube Bahia chegou na reta final e decisiva para a definição da venda ou não da SAF (Sociedade Anônima de Futebol) para o City Football Group. As assembleias para votar a proposta do conglomerado acontecerão no próximo dia 3 de dezembro, um sábado, na Arena Fonte Nova, mas também existe a possibilidade de votar à distância, de forma online. Se aprovada, o fundo árabe assume de imediato o clube e inicia a reformulação. A tendência é que a transição dure de três a quatro meses, podendo demorar até nove meses. Sempre tirando dúvidas dos torcedores, o presidente Guilherme Bellintani explicou como irá funcionar.

 

“Feita a Assembleia Geral no dia 3, caso a SAF seja aprovada passará a valer o contrato que já foi assinado. Esse contrato implica um período de até nove meses para o chamado “closing”. É o fechamento final do negócio com todos os procedimentos que só podem ser tomados a partir da Assembleia. Ou seja, não foram tomados ainda porque estão aguardando a aprovação dos sócios. Caso haja a aprovação, há uma série de procedimentos a serem tomados. Dentre eles, a própria criação da SAF e a inclusão do novo investidor; transferência dos ativos, desde ativos junto à CBF, ativos imobiliários, ativos de contratos de funcionários e atletas, uma série de coisas que podem durar até nove meses, quando acontece uma espécie de “co-gestão”, explicou o presidente e continuou:

“O comando, a decisão, permanece sendo da associação, mas em “co-gestão”, e está previsto no contrato, por exemplo decisões do futebol, investimentos no futebol, contratos, novos contratos, tudo isso só podemos fazer mediante à autorização e acompanhamento do parceiro investidor”.

“A associação que funcionava com autonomia plena, perdeu um pouco da autonomia quando assinou o contrato e se dispôs a prestar contas sobre novos contratos, novas despesas. A partir do dia 4, a autonomia cai ainda mais e até que ela conclui, em até nove meses, mas a gente espera que se conclua em três ou quatro meses, nossa autonomia vai a zero no efeito futebol. Durante o processo, a gente realiza esse procedimento”, finalizou. 

Autor(a)

Fellipe Costa

Administrador e colunista do site Futebol Bahiano. Contato: futebolbahiano2007@gmail.com

Deixe seu comentário