É nítido o favorecimento aos clubes tidos pela CBF como de “primeira grandeza”

Há, infelizmente, uma clara "forçação de barra" para que o Vasco deixe a Série B

Foto: Daniel Ramalho

Existe um favorecimento muito claro aos clubes tidos pela CBF como de “primeira grandeza” do futebol brasileiro.
Até 2020, os jogos da Série B do Brasileiro eram executados às terças, sextas e sábados. Depois que começaram a cair para a divisão em questão equipes do Sul/Sudeste, um novo entendimento começou a se configurar para que equipes como Cruzeiro, Vasco, Botafogo, Coritiba, e outros que viessem a ter o infortúnio de descer a segunda divisão do campeonato tivessem condições melhores de jogos que lhes facilitem o desempenho da prática do futebol.

 

Partindo desta premissa, a CBF começou a marcar jogos das Séries A e B para todos os dias da semana e privilegiando algumas equipes da Série B com seus jogos aos domingo à tarde, onde o número de público é bem maior proporcionando as condições “necessárias” para que o sucesso tenha uma possibilidade bem maior.
Este ano a coisa escancarou de vez. Tendo a Série B de 2022, a participação de SEIS campeões brasileiros, resolveu acatar solicitações de mudança de praças esportivas sem nenhum critério, desobedecendo o regulamento do campeonato, e até então favorecendo favorecendo apenas uma equipe.

É claro que em virtude dos apelos midiáticos ao longo de décadas, os locais mais longínquos deste Brasil conheceu Vasco, Flamengo, Botafogo e Fluminense muito mais que qualquer outra equipe de futebol. O Palmeiras, por exemplo, o maior campeão de todos os tempos no Brasil, vem tendo o conhecimento e reconhecimento nestas duas últimas décadas no interior do Brasil, pois antes disso a poderosa Rede Globo de televisão somente difundia as marcas do futebol carioca pelo Brasil a dentro em sua vasta rede de afiliadas, tendo o monopólio, eles criarem torcedores cariocas em todo o país.

É lógico que uma transferência de jogo do interior de São Paulo para a Arena Amazônia, em Manaus, na hipótese só irá favorecer ao Vasco, visto que por tudo o que citei anteriormente, dos 40.000 ingressos vendidos naquela praça, o Guarani não teve 400 torcedores na arquibancada.

Agora ventila-se a possibilidade de mais uma mudança de praça esportiva nitidamente favorecendo mais uma vez o Vasco da Gama. É nítido que o privilégio do time cruzmaltino é gritante, uma vez que o estado do Espírito Santo não tendo representantes nos principais campeonatos da CBF, os seus torcedores tendem a encorpar as torcidas cariocas, e mais claro fica que qualquer jogo entre Vasco, ou qualquer outro clube carioca contra qualquer equipe não carioca em suas praças esportivas, a predominância de torcida será favorável aos cariocas, quanto mais se essas equipes adversárias não tiveram tanto apelo nacionalmente.

Há, infelizmente, uma clara “forçação de barra” para que o Vasco não continue por mais um ano na segunda divisão, e mais a frente do campeonato esta prática poderá e deverá ser aplicada para reconduzir a Série A as equipes que a CBF e os poderosos financeiros escolherem. Precisamos nos movimentar, conscientizar a todos e tentar a qualquer custo impedir esta armação que estão implementando, e se necessário chegando em última instância a Justiça Comum.

Juscelino Santiago dos Santos, torcedor do Bahia e colaborador do Futebol Bahiano.

 

Deixe seu comentário!

1 Comentário

  1. Parabéns pelo texto, Não se trata apenas de mi, mi, mi, pasmem, ouvi bons comentaristas de nosso estado dizerem que não houve favorecimento ao Vasco porque o time do Guarani foi bem melhor em campo e que merecia até um triunfo, agora esse mesmos comentaristas só esqueceram de dizer que se o jogo fosse no campo que o time estava acostumado a treinar todos os dias, a chance do Vasco ter perdido três pontos era muito grande, se o jogo fosse na sua cidade idem, ou seja, o Vasco atingiu seu objetivo, ganhou um ponto onde sua chance de acontecer isso em Campinas era bem menor, agora a CBF querendo dar um de bom samaritano diz ter impedido outra mudança contra o Londrina, mentira, não houve acerto de grana, o futuro investidor do Vasco fará de tudo para colocá-lo na primeira divisão, se o argumento da CBF é que só haverá mudanças quando houver obras em seu estádio de origem, o Vasco já mapeia alguns jogos para que essa justificativa frágil da CBF caia por terra, e veremos de agira em diante um avalanche de obras em alguns locais impedindo a realização de seus jogos naquela localidade, outra questão importante é uma tabela muito privilegiada para o Vasco, só joga nos finas finais de semana horários nobre para o torcedor, quando joga fora seus adversários jogam 21:30h dia de semana, e esses bons comentaristas argumentam que isso é apenas interesse da tv que paga, outra mentira a televisão solicita da CBF horários diversificados de jogos, inclusive 21:30h, Zezinho torcedor do Vasco que confecciona a tabela coloca, claro, os principais concorrentes do Vasco nos piores dias e horários, agora, não são esses mesmos comentaristas que dizem que os grandes clubes do Sudeste e do Sul são as principais atrações, então se o Vasco, Grêmio e Cruzeiro jogarem sempre 21:30h atenderá em todos os requisitos para o grade da TV, mais audiência, mais pay-per-view, sem falar na cronologia dos jogos que evidencia um grande favorecimento, falácia alguns incautos dizerem que são todos contra todos, agora reparem a tabela Bahia estreia contra um dos principais concorrente ao acesso, jogando as 21:30h o “Vascão” estreia em horário privilegiado 19:h, em casa jogando contra um clube que provavelmente lutará contra o rebaixamento, logo em seguida vai jogar contra o CRB fora outro clube que lutará contra o rebaixamento, enquanto o Bahia depois de pegar o Cruzeiro, enfrenta fora um clássico nordestino, só que essa nítida intenção e tendência de favorecimento ao Vasco para disparar na tabela, eles esquecerem que se isso não acontecer, na segunda fase da tabela a situação será totalmente inversa, Bahia e Cruzeiro terão uma tabela bem melhor, enquanto o Vasco se não comprar os futuros mandos de campos de grande parte de seus adversários ficará mais um ano na segunda divisão.

1 Trackback / Pingback

  1. CBF pretende cobrar empresa por cancelamento de clássico contra a Argentina

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*