E.C Bahia: Chega de vacilar em Pituaçu diante de times medianos

ESSE JÁ É O QUINTO ANO CONSECUTIVO QUE O BAHIA DISPUTA À SÉRIE A

Foto: Felipe Oliveira / EC Bahia

Falar aqui que o futebol tem três resultados que abrangem vitória, empate e derrota, é chover no molhado, ou seja, o óbvio ululante, mas, o quê o torcedor questiona, principalmente, numa derrota tão vergonhosa como aquela do Bahia diante do América-MG, é a forma como se perde para um time mediano que vinha em crise, sem vencer na competição, mas, encontrou aqui um adversário que viabilizou sua reabilitação nesse difícil e competitivo Campeonato Brasileiro.

 

Imagino que antes de iniciar o Brasileirão, todos os vinte clubes tem suas ambições e objetivos: os mais tradicionais entram pensando na conquista do título, mas, não sendo possível, uma classificação à Libertadores já satisfaz; já os menos tradicionais, vislumbram uma classificação à Sul-Americana, êxito que se não for alcançado, à permanência na Série A já fica de bom tamanho, enquanto que para os clubes que alternam ausência e presença na Série A, que é o caso do América e, os que são oriundos da Série B, que são às situações de Cuiabá e Juventude, só pelo fato de não serem rebaixados, se torna uma grande conquista.

Esse já é o quinto ano seguido que o Bahia vem disputando a Série A, após seu último rebaixamento em 2014, um clube que vem superando todas as dificuldades para se consolidar na elite do futebol brasileiro, uma tarefa das mais difíceis, por se tratar de um clube do Nordeste que disputa ima competição tão difícil como o Brasileirão, não se podendo deixar de se levar em consideração que cada jogo é uma decisão, não devendo dar a impressão de subestimar nenhum adversário, como o treinador fez no jogo contra o América-MG, quando escalou Lucas Fonseca, fora de forma, e no último domingo, resolveu poupar Gilberto, o homem-gol do time, que só entrou em campo já quase na metade do segundo tempo e, felizmente, começou a resolver o jogo e o time saiu de campo com os três preciosos pontos.

O Bahia tem uma boa estrutura organizacional para oferecer à sua comissão técnica: estatísticas de jogos, históricos, condições técnicas e detalhes de todos os atletas do grupo, portanto, quer queira ou não, o Bahia tem todo um staff a serviço do seu treinador para municiá-lo com as melhores informações: são fisiologistas, preparadores físicos, auxiliares técnicos, assessores, aspones, enfim, inclusive, um tal de DADE, que se encarrega de toda análise e desempenho do próprio time e dos seus adversários, mas, na prática, parece que não funciona, porque na hora do treinador escalar o time, ou está fora de sintonia com todo esse aparato ou não leva em consideração às informações que recebe.

O torcedor do Bahia já está cansado e saturado de ver, ouvir ou ler, as lamentações do treinador Dado Cavalcanti a cada final de jogo a respeito do desgaste físico e emocional do time na temporada, fator que o obriga promover um rodízio no time para preservar alguns titulares, argumentos que não são plausíveis às pretensões do time na temporada, principalmente, na rivalidade regional dentro do Brasileirão onde além da boa campanha do Bahia temos, também, Ceará e Fortaleza, infelizmente, menos para o Sport que desde o ano passado vem perdendo força e, dificilmente, escapará do rebaixamento à Série B, no final da competição.

Mesmo com as expressivas mudanças de patamar de Ceará e Fortaleza nos últimos dois ou três anos, o Bahia continua sendo o maior clube da Região Nordeste, é Tetracampeão e, para manter esse status, tem que continuar competindo, conquistando títulos importantes e não pode e nem deve ficar perdendo jogos, dentro dos seus domínios, para times medianos, na competição mais importante do país, que é o Brasileirão.

PRA CIMA DO JUVENTUDE, BAHÊA!

José Antônio Reis, torcedor do Bahia e colaborador do Futebol Bahiano. 

 

Comentários:

8 Comentário

  1. FALA SÉRIO OS JOGOS DE BRAGANTINO,INTER,CORINTHIAS,PALMEIRAS E AMERICA PERDEMOS PONTOS ELE DADO TREINADOR DE SUB 23 RESPONSÁVEL … TIME UM BANDO EM CAMPO …

  2. Realmente atinge não só os clubes de futebol brasileiro, mas a maioria dos brasileiros, só que os outros clubes também tem torcedores que reclamam da mesma forma que os torcedores do Bahia, porém existe exageros nas reclamações, qdo Belitani contratou no início teve aprovação da maioria da torcida,porém boa parte dos contratados não corresponderam é preciso isso ser levado em conta, todos passam dificuldades para contratar também não só o Bahia, com relação a Dado, ele não é perfeito ele erra, a diferença é que reconhece o erro e não repete, é uma pessoa que ouve as críticas dos torcedores e não é teimoso, tem a dificuldade para substituir devido a limitação do banco, além do mais entre ele e os medalhões com salários altíssimos penso que ele tem dado muito mais retorno vide Mano Menezes que na minha opinião não foi demitido, jogou a toalha na covardia para não ter seu currículo sujo caso o Bahia fosse rebaixado.

  3. FALA SERIO … O PROBLEMA DO BAAAEEEAAA É GESTÃO NO FUTEBOL … TEMOS O MAIOR CAIXA DE UM CLUBE DO NORTE E NORDESTE, CUJO ORÇAMENTO É APLICADO DE FORMA ERRADA COM FRACAS CONTRATAÇÕES FATO… GESTOR BELLITANI DESDE 2019 COMETE MESMAS FALHAS DE ADMINISTRAÇÃO… HOJE NÃO ESTAMOS EM 1ª NA CLASSIFICAÇÃO GRAÇAS A FALTA DE CAPACIDADE DE NOSSO TREINADOR, PROFISSIONAL QUE DEVERIA ESTA DIRIGINDO O SUB 23 FATO… O SÓCIO TORCEDOR TEM MOTIVOS SUFICIENTE PARA AFASTA-SE POIS VER A FORMA PELA QUAL NOSSO DINHEIRO É GASTO…TEMOS UM PLANTEL INCHADO DE JOGADORES SEM CAPACIDADE TÉCNICA ISTO SE APLICA A TODAS AS DIVISÕES … TENHO CERTO QUE O NOSSO DINHEIRO BEM APLICADO O RETORNO SÉRIA OUTRO.DESTACO QUE NUNCA NA HISTORIA DE NOSSO CLUBE TIVEMOS TANTO DINHEIRO,COMO TEMOS HOJE… GESTÃO BOA PRA CLUBE DE FUTEBOL SÃO RESULTADOS EM CAMPO COISA QUE NÃO TEMOS … O BLÁ BLÁ BLÁ DO NOSSO PRESIDENTE CLARAMENTE ESTA SENDO ENFRAQUECIDO PELA SUA FRACASSADA GESTÃO NO FUTEBOL.

  4. Voces que gostam de criticar sem observar as dificuldades financeiras que o time enfrenta, vão fazer uma vaquinha para contratar jogadores do nível dos titulares para disputarem posições, assim Dado não vai mais falar de desgaste, pois terá reservas a altura para se possível colocar em campo quatro de uma vez (como fez o Palmeiras) como também Belitane vai atender as exigencias dessa torcida e contratar, é muito fácil falar e principalmente criticar, porém enxergar a realidade está longe dos corneteiros.

    • As dificuldades financeiras atingem, não só os vinte clubes da Série A, mas, também, os vinte clubes da Série B; os 20 da Série C; os 20 da Série D, enfim, todos os clubes profissionais do Brasi. Até o Corisabbá Esporte Clube do Piauí que é um time de índio, está em dificuldades financeiras.
      Portanto, essa situação não é “privilégio” do Esporte Clube Bahia.
      Quando fazia meu curso ginasial, tinha uma professora que ensinava os alunos sair de uma crise:
      Ela dizia: “NA CRISE, RETIRE O “S’, QUE VOCÊ SE LIVRA DELA!

      Então Bellintani: CRIE!

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*