Até quando ele acerta, ele erra… que fase! – por Erick Cerqueira

"Segunda derrota de Mano, em PituAço, e mais uma vez com o time jogando bem"

Bahia e Sport é um daqueles jogos que a vontade era comentar ao vivo, pra não ficar parecendo que a gente é engenheiro de obras prontas. Mas vamos lá. O Bahia começou a partida tomando um susto, num cruzamento na área e uma cebeçada que passou perto. Depois o time tomou conta do jogo. Foi pra cima, acuou o adversário, chegou na área pelas bolas aéreas, Gilberto perdeu um caminhão de gols e o domínio oscilava apenas entre menos e mais. 

 

Até que Juninho Capixaba, que deixou o futebol no Galeão, comete um pênalti infantil. 0x1 pros caras. Tá. Xingamos, ficamos pirados porque não merecíamos o placar reverso, mas é do baba.

Aí acaba o primeiro tempo e pensei: se o problema é a finalização, já que a bola tá chegando lá na frente, coloca Saldanha porque a zica de Gilberto não passou não.

Vem o segundo tempo e Mano pega e tira os dois meias, que estavam servindo bem o centroavante, pra colocar Daniel e Clayson. A vontade de deixar o jogo de lado e ir terminar o site dos clientes foi grande. Não tinha a menor lógica mudar um time que criava muito e finalizava errado, se o erro não era de criação. Era só trocar Gilberto por Saldanha e pronto.

Mas, como diz o ditado, a bola pune. E o castigo veio a galope.

No primeiro lance de perigo dos caras, um famoso mini-escanteio, a cobrança de falta acha a cabeça do zagueiro e vai pro gol. 0x2. Adivinhem quem estava na marcação de Marcão? A culpa é do 25? Não. É de quem ainda mantém ele na equipe.

O Sport construiu o resultado e sentou nele. Abriu mão de jogar. E fez certo. Deu a bola ao Bahia e esperava Gilberto perder gols de cara, Clayson errar os passes e arriscar de fora da área. Numa cobrança de falta assustou o goleiro dos caras, melhor em campo graças a Gilberto. Quando Mano corrigiu o erro óbvio, que era não ter um centroavante que fizesse gol, o Bahia diminuiu o placar.

Gregore desvia o escanteio e Saldanha, no primeiro toque na bola, fez o que Gilberto tentou umas 8 vezes. 1×2.

No fim do jogo um lance emblemático. A bola sobra na lateral, Clayson dá um carrinho na bola e acerta um passe pra Gregore. Ele dribla a zaga e faz um golaço. Era o empate merecido pelo empenho do time. Mas Clayson até quando acerta ele erra. Entre o carrinho perfeito e o passe perfeito, ele meteu a mão na bola, de forma involuntária, é verdade. Mas contra o Bahia a mizéra do juiz nem foi consultar.

Que fase! Segunda derrota de Mano, em PituAço, e mais uma vez com o time jogando bem. Foram 23 chutes a gol, do Bahia, contra 5 dos pernambucanos. Mas como Mano não enxergou o óbvio, perdemos mais uma em casa.

De 1 a 11

Douglas segue sem culpa. Nino tentou, a zaga errou no posicionamento do segundo gol e Capixaba segundo pior em campo, pra compensar a outra partidaça. Gregore é um gigante e Elias organiza a saída de bola. Eric Ramirez e Marco Antônio fizeram a parte deles e não entendi as substituições. Elber apagado e Gilberto foi o pior da partida mais uma vez. Daniel entrou bem e girou bem a bola. Fessin fez uma jogadaça e merecia o gol. Saldanha fez o gol. E o 25… rapaz, ele é o famoso jogador Denorex (se você entendeu a referência sem precisar dar um google, fique em casa. Você é do grupo de risco da covid). Ele erra 90% das jogadas, mas tenta muito. e isso acaba atrapalhando, a torcida se engana com ele.

Bora Baêa Minha Porra!

Mais uma derrota na conta de Mano. Essa ainda mais doída, porque o VAR não chamou o árbitro pra avaliar se houve ou não intenção do jogador em fazer a mão. Gostei da formação de hoje mas Rodriguinho não pode ficar fora. Ainda bem que todo mundo que tá embaixo também perdeu. E ficamos só estagnados. Pra cima do Vasco e seja o que Deus quiser.

 

Autor(a)

Erick Cerqueira

Resenheiro extra-oficial do Único TIME BI CAMPEÃO BRASILEIRO entre Minas Gerais e o pólo Norte. Publicitário da ESC3D, Marketeiro da URSAL, parcial, pai de Thor e apaixonado pelo meu Bahia! Contato: escdesigner@gmail.com

Deixe seu comentário