E.C Bahia: Erros acontecem, principalmente em um ano atípico

Ninguém está satisfeito, mas a instabilidade ainda vai existir

Foto: Felipe Oliveira / EC Bahia

Muitos torcedores devem ter criado a expectativa de que o Esporte Clube Bahia já poderia ser campeão brasileiro novamente. Daí, a grande decepção ao ver o clube ainda com essa instabilidade. Esquecem de contratações de jogadores desconhecidos que viraram ídolos e renderam boa grana ao clube. Tem aqueles que citam o Athletico Paranaense como exemplo, mas esquecem (ou não sabem) que esse clube iniciou sua reestruturação em 1997 e, só agora, vem colhendo alguns frutos, conquistando nas últimas temporadas um título da Copa Sul-Americana e outro de Copa do Brasil.

 

Têm alguns que criticam a gestão e o marketing do Bahia, sem perceber que justamente a excelente gestão e o marketing é que têm atraído muitos profissionais (técnicos e jogadores) para um clube pobre do Nordeste, mas que hoje eles enxergam como um lugar seguro para trabalhar. Erros acontecem, companheiros, ninguém é infalível, principalmente, num ano atípico com essa pandemia que estamos vivendo. No entanto, o Bahia tem conseguido negociar e manter pagamentos em dia. Parece fácil? Dos dez clubes do sudeste, todos beneficiados pela mídia centralizadas, só dois (acho), Flamengo e Palmeiras, têm mantido pagamentos em dia.

Não sei se é porque estamos em período pré-eleição no clube e aqueles 12% que não votaram em Guilherme Bellintani já estão em campanha, mas preciso avaliar toda evolução de um clube que ainda está em fase de recuperação, que ainda paga grandes dívidas deixadas pelas gestões que faliram o clube. Não é só o resultado em campo.

Ninguém está satisfeito, mas a instabilidade ainda vai existir, e agradeço ter um gestor como Guilherme Bellintani e um profissional como Diego Cerri que continuam a garimpar nesta entressafra. As vezes, uma pedra depois de lapidada vira uma ótima joia, mas a maioria das vezes (acho), não.

Hildato Reis, torcedor do Bahia e colaborador do Futebol Bahiano. 

Deixe seu comentário

3 Comentário

  1. Ano atípico para todo mundo. Lentidão e morosidade nas reposições vem desde 2019 quando Douglas Augusto saiu e não chegou ninguem para o Lugar. Levamos a janela inteira para trazer João Pedro que é Lateral.
    Não justifica manter um plantel que vem acumulando tropeços desde o ano passado
    L. Fonseca e muitos outros não eram mais para estar no Bahia.
    Muita conversa e pouca atitude . Diretor de futebol que na hora do aperto se esconde.

  2. Parabéns pela lucida razão, entretanto a paixão é o norte dos comentários, que eleva torcedores não refletirem, abusivamente são despolitizados e acreditam em candidatos que utilizam o clube, para projetos políticos partidários e não em favor da profissionalização do futebol do Esporte Clube Bahia, que confundem Políticas de Afirmações Positivas, como negativas sem perceber que o mercado da bola, sofre com ausência de craques e bons jogadores se forma na própria base do clube e não valorizam atletas das divisões de base e exigem contratações, onde de fosse ir ao supermercado e comprar na gandola os atletas, nesse momento de Doença do COVID 19, deveríamos estar reflexivo, quem interessa futebol, nesse caos mundial e principalmente no país de desempregados, alta taxas de infectados e óbitos e inflação monetária.

  3. Conversa fiada essa; todo ano promessa que o time está crescendo, e hoje o que vemos é amargar a penúltima colocação no campeonato, eliminado pelo River todas jogos decisivos o time ñ joga nada , o que esse presidente ganhou foi dois baianos as duras penas, presidente que só pensa em vender jogador , lerdo acorda pra vida , pq no futebol em campo belitani só fez merda, estamos praticamente na lanterna , e ele ai parado , sem contratar, sem tomar providências com jogadores que desde o ano passado fazem corpo mole, ñ querm mas jogar no Bahia, e ele segurando, o Bahia esta fadado a cair pra série B infelizmente, quem viver verá

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*