No retorno da Copa do Nordeste, Náutico enfrenta o Bahia precisando vencer para avançar

A CBF ainda não definiu qual será a sede para a conclusão da Copa do Nordeste

A Confederação Brasileira de Futebol já definiu que a conclusão da Copa do Nordeste será em sede única dentro do protocolo de evitar deslocamento nesta época do Coronavírus que continua matando. Hoje por exemplo, até 13h (23), o último boletim divulgou novas 600 mortes dando indícios que os números desta terça-feira será recorde para um único dia. A decisão de Sede única é o primeiro passo, a questão é defini as datas e, sobretudo, onde será realizado aos jogos. Salvador, Recife e Fortaleza brigam pelo privilégio, porém, será preciso o aval do governo da sede escolhida. Das três cidades citadas, apenas Fortaleza tem um protocolo com previsão do retorno do futebol. Bahia e Pernambuco ainda não.

 

A Copa do Nordeste entrou em recesso na penúltima rodada da fase de grupo em 12 de março. Apenas Bahia e Fortaleza tinham a classificação garantida no Grupo A ambos com 14 pontos. ABC e Botafogo completavam a lista dos classificados. No Grupo B, a briga é acirrada. Confiança e Vitória lideram com 13 pontos. Náutico, Ceará e Santa Cruz lutam pela classificação. Nenhum deles tem vaga garantida para as quartas de finais.

Em situação difícil, o Náutico encerra a fase enfrentando o Bahia (originalmente o jogo seria em Salvador), o TIMBU precisa vencer para depender só de si para avançar no maior e mais importante torneio regional do Brasil. Sendo derrotado, pode perder a vaga justamente para o rival Santa Cruz que vai encarar o já eliminado River do Piauí.

Em entrevista para a Rádio Jornal, o vice-presidente alvirrubro, Diógenes Braga, avaliou a possível definição das competições em sede única, mesmo com Náutico tendo chances de ser desclassificado.

“Eu acho que a gente tem que buscar a melhor forma de completar os campeonatos. Nesse momento o interesse particular de cada clube tem que ficar de lado. Para finalizar as competições terá que abrir mão de algumas coisas. A gente sempre vai querer jogar nos Aflitos, mas se for necessário abrir mão disso para se concluir os campeonatos, nós vamos abrir mão. Não é um momento de se fazer exigências”, afirmou Diógenes.

O Náutico chegou a liderar as competições durante algumas rodadas. No entanto, na reta final antes da paralisação, o time teve uma queda de rendimento, adiando assim as definições das próximas fases. Diógenes Braga justifica o mau desempenho nos últimos jogos devido as lesões de atletas importantes na equipe.

“Tivemos uma conversa com elenco na reapresentação e falei para eles que o grupo tinha muita personalidade e eles tinham condições de buscar os resultados. O maior exemplo é o jogo contra o Paysandu e CRB, e que eles treinassem não só com o alívio de voltar a trabalhar, mas também com as nossas responsabilidades nos campeonatos e das decisões que a gente vai ter. Acredito muito no nosso elenco”, afirmou o dirigente.

“Quando teve a paralisação, a gente não tava com um bom rendimento, mas a gente estava com nove atletas no DM (Departamento Médico). Quando a gente estava com vários atletas a disposição, a gente estava com uma classificação muito boa na Copa do Brasil e éramos líder no Pernambucano e na Copa do Nordeste, mas depois do ABC sofremos. A gente se vê numa situação de fortalecimento do elenco. Temos um elenco bom, forte e confiamos demais neles”. encerrou.

Na Copa do Nordeste, o Náutico estava em terceiro do Grupo B, com 11 pontos conquistados e pode perder a classificação para o Santa Cruz que está em quinto com 10 pontos. Já no Campeonato Pernambucano, o Náutico já está classificado para as quartas de final, mas quer garantir o mando de campo para a disputa da partida, e se encontra na quarta colocação com 12 pontos.

Deixe seu comentário

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*