Ex-meia do Bahia segue com futuro indefinido no Palmeiras

Guerra não entra em campo desde novembro de 2019

Sem atuar há 150 dias, o meia Alejandro Guerra entrou em campo pela última vez no dia 24 de novembro de 2019, na derrota do Esporte Clube Bahia por 4 a 3 para o Goiás, pela 34ª rodada do Campeonato Brasileiro. Com o fim do empréstimo com o Esquadrão, retornou ao Palmeiras no início deste ano, porém, fora dos planos do técnico Vanderlei Luxemburgo, figurou na lista de negociáveis do clube paulista. Chegou a receber proposta do Coritiba, mas não avançou. Treinando em casa durante a quarentena, o venezuelano segue com futuro incerto. Durante entrevista ao canal do jornalista Jorge Nicola, o gerente de futebol do Verdão, Cícero Souza, avaliou alternativas para o futuro do meia. Não descartou a possibilidade dele ser reintegrado ao elenco verde, mas indiciou que a tendência é um novo empréstimo.

 

“Quando definimos e montamos o elenco desse ano, o Guerra começou a buscar algumas opções de empréstimo, que até o momento não foram configuradas. Talvez um retorno (ao time) possa existir, mas ainda não tivemos essa conversa por reintegração. O Guerra é um profissional como um dos poucos que eu já trabalhei, ele tem uma capacidade lúdica espetacular, é um ser humano gigantesco e que vem ajudando, inclusive, venezuelanos neste momento aqui no Brasil”, disse.

“Infelizmente, no futebol, quando você fala que tem o Guerra, as pessoas querem saber porque não tem o (Raphael) Veiga, quando tem o Veiga, porque não joga o (Gustavo) Scarpa, quando joga o Scarpa, porque não joga o Lucas Lima. Na realidade, a gente precisa entender que decisões são tomadas, muitas precisam ser só interiores, mas quando você me pergunta sobre alguém que está excluso, eu sou obrigado a elogiá-lo porque ele merece. Mas um clube de futebol também caminha por motivos racionais e valoriza aqueles que estão. O Guerra, enquanto esteve, contribuiu da melhor forma possível. Vamos fazer de tudo para que, ou no Palmeiras ou na equipe que ele vá, ele consiga ter sucesso no restante da carreira”, adicionou.

Bancado pela Crefisa que pagou US$ 3,7 milhões (cerca de R$ 11,7 milhões, na cotação da época) da Crefisa, Alejandro Guerra chegou ao Palmeiras em 2017 com a pompa de ter sido melhor jogador da Copa Libertadores do ano anterior vestindo a camisa do Atlético Nacional, porém, não vingou pelo clube paulista e sofreu com as lesões nas últimas temporadas. Em 2017, fez 38 jogos e marcou 7 gols. Em 2018, pouco entrou em campo, passou 4 meses se recuperando e quando entrou foi saindo do banco. Jogou 23 partidas e anotou apenas um gol. Ao todo, marcou oito gols em 62 partidas. No Bahia, foram apenas 18 jogos e um gol marcado.

Deixe seu comentário

Autor(a)

05/05/2020 às 12h00

Fellipe Costa

Redator e Administrador do Futebol Bahiano. Contato: [email protected]

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*