A principal ação afirmativa do Bahia em 2020 tem que ser dentro de campo

"temos que ter maiores ambições e metas mais ambiciosas em 2020"

Foto: Felipe Oliveira / Divulgação / EC Bahia

A campanha do Esporte Clube em Bahia aconteceu com o clube chegando ao fim do certame em 11° lugar, após 38 jogos, totalizando 49 pontos ganhos, 12 triunfos, 13 empates, 13 derrotas 44 gols pro, 43 gols sofridos, saldo de gols de um gol. A média de público do Esquadrão foi de 26.338, se firmando como a 6ª melhor média de público do Brasil, alcançando R$ 9.798.806 de renda bruta. A chegada do técnico Roger Machado aconteceu em abril, para assumir a vaga deixada por Enderson Moreira, que fora precocemente eliminado da Copa do Nordeste. A chegada de Roger mostrou que o clube finalmente começou a pensar em profissionais de primeira linha, disputados no mercado e sem contestação de grande parte da torcida, que acolheu o profissional de braços abertos. Roger ao lado de Renato Gaúcho e Sampaoli, foram os sobreviventes da ciranda dos técnicos e essa continuidade deve permanecer apenas no Bahia e no Grêmio.

 

Durante o campeonato, conseguimos colocar nas prateleiras mais altas atletas como Artur Victor, Douglas, Gregore, Juninho e Gilberto, jogadores estes que frequentaram as melhores colocações durante boa parte do troféu Bola de Prata e com certeza serão assediados por outras equipes nessa janela de transferências. Além disso, a saída iminente do Diretor de Futebol Diego Cerri que acertou e errou como qualquer profissional, mas trouxe bons nomes para o clube, inclusive titulares absolutos que fizeram um bom trabalho esse ano, tanto que está a ponto mira de assumir o futebol do Palmeiras.

O que quero dizer é que nem tudo está errado no Bahia, embora o declínio vertiginoso em campo seja uma ducha de água fria nas pretensões da torcida. Em 2020 temos uma base formada, quer queiram quer não queiram e o técnico Roger chegou com os atletas que tinha no elenco e buscou um jogo efetivo, reativo e que foi de encontro aos seus trabalhos anteriores, onde tinha equipes em sua mão com uma postura completamente diferente do que ele tinha no ano de 2019.

Vai ter a oportunidade de montar seu elenco, implantar o estilo de jogo que já está acostumado e mudar o modo de jogar do time, tomara que adequando ao jogo propositivo e não somente o reativo, para que o Bahia tenha o domínio dos jogos tanto em casa quanto fora e com uma maior efetividade na hora de ganhar os jogos, para não perder tantos pontos contra times de menor expressão ou contra grandes quando tiver a oportunidade de matar os jogos.

Esperamos contratações acertadas e que tragam o fruto que realmente a torcida quer um título de expressão ou a consolidação entre os grandes, com uma classificação para a Copa Libertadores 2021, quer seja via Brasileirão ou através da Copa do Brasil ou Sul-Americana, já estamos a 4 anos na Série A e isso só já não basta mais, temos que ter maiores ambições e metas mais ambiciosas em 2020, pois já nos estabelecemos na Série A e temos que conquistar o Nordeste para entrar nas oitavas da Copa do Brasil.

Diego Campos, torcedor do Bahia e colaborador do Futebol Bahiano.

 

 

Deixe seu comentário

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*