Novo presidente da FBF encara com tranquilidade Bahia e Vitória utilizarem o Sub-23 no Baianão

"a Federação não deve interferir", disse

Na próxima quarta-feira (16), dias antes da primeira partida do Campeonato Baiano de 2019, acontece a posse do novo presidente da Federação Bahiana de Futebol (FBF), Ricardo de Lima, que substitui Ednaldo Rodrigues – que esteve à frente da FBF desde 2001 e assumirá uma das vice-presidências da Confederação Brasileira de Futebol (CBF). O primeiro jogo do Estadual acontece no dia 19 de janeiro, às 16h, entre Bahia de Feira e Jacuipense, na Arena Cajueiro.

Em entrevista ao Globoesporte, no evento de lançamento oficial do Campeonato Baiano na última quarta-feira, realizado na sede da Rede Bahia, no bairro da Federação, em Salvador, o novo presidente da FBF falou sobre as decisões de Bahia e Vitória de de escalar jogadores do grupo sub-23 no Campeonato Baiano. O mandatário encarou com tranquilidade e destacou que a Federação não deve interferir na escalação dos clubes.

“Encaro tranquilamente. Acho que a única matéria que a Federação não deve interferir é na escalação dos clubes. É processo de escolha técnica. O jogo está marcado. Se vai com time A ou B, para a gente, é indiferente. Tenho tranquilidade e naturalidade para tratar desse assunto”, disse.

Entre as novidades do Campeonato Baiano de 2019, aparece o árbitro assistente de vídeo (VAR) nas partidas da final, além da também da competição poder contar com jogos às 10h da manhã de domingo. Ednaldo Rodrigues falou que deixa a FBF com o sentimento de dever cumprido. Veja abaixo:



“A gente [sai] com o sentimento de dever cumprido. Tudo que nós fizemos procuramos fazer com bastante isenção, com bastante propriedade, determinação. Esse ciclo se fecha, dando continuidade ao trabalho e com um novo estilo, o Ricardo de Lima, com Manfredo Lessa, que foram eleitos. Dentro deste trabalho que realizamos, os clubes apoiaram exatamente porque já têm o mesmo sentimento do trabalho que realizamos. Na CBF, como vice-presidente, nós vamos procurar fazer de uma forma… Trabalhar em prol do futebol brasileiro e diminuir as desigualdades, principalmente para regiões como a Nordeste e Norte, que sempre têm situações que, às vezes, destoam dos grandes centros. Portanto, nosso trabalho continuará dentro de um novo desafio, que esperamos que possamos ter força e saúde para superar”, disse.

Deixe seu comentário