O problema do Bahia é a constante cegueira do técnico Guto Ferreira

"Guto Ferreira e sua MIOPIA funcional..."

Foto: Felipe Oliveira / EC Bahia

Sacramentando o conhecimento popular de que “todo Brasileiro é acima de tudo um TÉCNICO de futebol”, venho aqui tecer algumas críticas a respeito da atuação do nosso Guto Ferreira nessa sua segunda passagem pelo Bahia.
As coisas devem, como toda boa construção, começarem por baixo e avaliando o elenco do Bahia podemos observar que não se trata do melhor elenco do Brasileirão mas, no mínimo, é um elenco com boas peças.

Temos alguns jogadores na equipe atual que foram severamente assediados pelas equipes do eixo sul-sudeste que conseguiram ainda, inclusive, levar alguns deles. Isso demonstra “por si” tratar-se de um bom elenco e com condições para realizar a famosa campanha “sem sustos”.

O Zé Rafael é tido e havido como um “crack”. Vinícius outro que mostrou ser muito capaz, além do Edigar Junio, do Régis, do Gregore, do Allione, etc. Atletas de uma boa condição de jogo, podemos até considerar “diferenciados”. Então, por que o Bahia anda tão fragilizado nos jogos? Procede a queixa de que faltam jogadores? Ou o treinador é fraco?

Pessoalmente acredito que o problema atual do Bahia tem nome e sobrenome. O problema do Bahia é a constante cegueira do GUTO FERREIRA que, mesmo ficando à margem do campo, não consegue enxergar “um palmo” à sua frente. Não faz a exata leitura do que acontece.

Vamos observar o acontecido nos 3 últimos jogos…

Contra o Atlético-PR o Bahia foi um time ousado na marcação alta e só não ganhou o jogo pelo fato do gol não ter saído. O goleiro pegou tudo, a trave salvou o adversário, os atacantes foram infelizes (ou incompetentes) e por aí empatamos um jogo que seria um dos melhores desse grupo, no campeonato.

Contra o Botafogo-PB observamos quase um “repeteco” do jogo anterior. A bola caprichosamente insistia em não entrar no gol adversário. Mais um empate com sabor de derrota. Nesse jogo, o empate nos era favorável e a gente fica aborrecido mas, entende e aceita.

Contra o Sport-PE, observamos um time que só jogou 30 minutos do primeiro tempo e, dessa vez, o treinador GF cometeu uma série de equívocos que nos levaram a uma derrota totalmente inexplicável, ainda que devamos respeitar sempre o adversário.



Esses equívocos do GF estão se tornando a cada jogo mais comum e começa na escalação. Ele criou a ideia de que não temos um atacante… Como não?!!! O Brumado tem todas as ferramentas para ser o nosso famoso “homem de referência” na área adversário.

O que faz o GF? Mantém o Edigar Junio jogando em uma posição que originalmente não é a sua. O cara é meia atacante e joga pelas extremidades do campo. Inventaram isso no ano passado e ele fez alguns gols. Pronto! O E Junio agora é o único centroavante de “carteirinha” no Bahia.

E por que não o Brumado?!!! O menino já deu provas de que é goleador nato. Tem o cheiro do gol e sabe se infiltrar entre os zagueiros. Tem boa estatura e um corpo atlético necessários ao desempenho da função. Entretanto, o GF parece querer QUEIMÁ-LO quando o coloca no jogo (ontem) faltando apenas 5 minutos mais 4 de prorrogação. QUE ABSURDO!

Pessoal, quer queiram, quer não, o Brumado é o homem da posição. Criticar o rapaz por não fazer gols é muito injusto! Ele não consegue pegar o RITMO DE JOGO! Parte da torcida, imagino, deve pensar nessa mesma linha. Nesse último jogo, o GF cometeu desatinos absurdos!

Começou no momento em que voltou para o segundo tempo com a mesma formação quando ficou muito claro que o Vinícius não estava bem (já tem tempo assim) e ele só colocou o Régis aos 20 minutos!!! Essa situação fez com que o Gregore, um bom jogador, tenha cometido muitas faltas para cobrir as falhas.

O Bahia perdendo e ele ficou no “lenga-lenga da porra” para começar a substituir. Tirou o Vinícius (está muito mal) e colocou um ESTREANTE que foi contratado para o sub-23, que não conhecia direito nem os companheiros, deixando o Brumado no Banco!!! O estreante não merece nem comentários na sua desastrada estréia.

Não seria mais óbvio tirar o Vinicius e colocar o Brumado, colocando o Edigar Junio na sua posição de ofício… Tivesse tomado essa atitude, na volta para o segundo tempo, o jogo seria outro. Colocando o Régis, também nesse momento, no lugar do apagadíssimo Vinícius, o jogo seria outro… Tirou o Zé Rafael e colocou o Régis depois dos 20 minutos… E, pra bolo da cereja, colocou o Brumado no final do jogo… Ainda, irritadíssimo, saiu escoiceando o treinador adversário num desequilíbrio emocional tremendo.

Nesses momentos o equilíbrio e a postura do treinador é a referência dos jogadores. Falar o que dessa monumental bobagem?!!! Finalmente, digo, querendo finalizar esse alongado texto, não acredito que o Bahia precisa urgentemente de um ATACANTE! O Bahia tem um! Se o BRUMADO for utilizado com sabedoria, tal qual fizeram com Jeanzinho, acredito que será um dos artilheiros, ainda nesse campeonato.

O Bahia precisa, sim, fazer o GF nessa sua irritante MIOPIA funcional, acabar com as suas convicções burras e colocar o time básico para jogar: Douglas, Nino, Lucas, Tiago (Everson) e Léo; Gregore, Elton, Zé Rafael e Vinicius (Régis, no segundo tempo); Edigar Junio (Allione, no segundo tempo) e Brumado.

Paulo Fernando, torcedor do Bahia, amigo e colaborador do Futebol Bahiano.

Deixe seu comentário

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*