Qual é mesmo a real desse time do Vitória modelo 2017?

Ano
novo, vida nova! Os rubro-negros deixaram 2016 para trás com gosto,
depois da montanha russa do Brasileiro de 2016, o que mais os irmãos
torcedores do Vitória pediram ao Senhor do Bonfim na virada do ano foi
tranquilidade, chega de tanta turbulência dizem, o que eles querem agora
é rede para descansar os nervos, e se possível bola na rede. Mas
afinal, 2017 trouxe paz para Toca (Leão tem toca?) do Leão ou será que o
sofrimento continua? O jogo de ontem à noite contra o Botafogo-PB vencido por 1 x 0, acrescenta acima das bandeiras e dos bonés rubro-negros alguns pontos de interrogação

O
“Bichano” manteve o treinador Argel, salvador da pátria no ano passado
como comandante para 2017 e lhe confiou uma missão ingrata (mas bem
remunerada!) de conduzir o time depois da eleição da nova diretoria, Ivã
o “terrível” de Almeida e Sinval “tô cagando e andando” Vieira, hoje
são telhados e esperam pedras serem atiradas pelos inúmeros grupos
políticos que formam o conselho Rubro-Negro, algo semelhante à
Maçonaria, cheia de ritos, graus e sacrifícios de ovelhas (Leão é
carnívoro, lembram?) que se engalfinham sedentos pelo poder. Dizem as
más línguas que Paulo Carneiro conduziu vários rituais macabros nas
catacumbas secretas escondidas sob o Complexo Esportivo Benedito Dourado
da Luz (trevas?), mas chega de histórias de terror e contos da
carochinha, afinal, o torcedor rubro-negro quer saber se vai ter
Halloween antecipado em 2017 ou se pode ficar de boa. 


Ivã,
diferentemente do seu antecessor Falcão mantém um “low profile”. Não
fala muito depois da sangrenta batalha eleitoral onde a cada trênio
podres são levantados dos caixões para em seguida serem enterrados
novamente e todos se abraçarem jurando amizade eterna (medo!). Caixa
cheio, o clube não aparenta turbulência financeira e o orçamento está
nos conformes, esse ano não vai ter aperto. Para Ivã ter um primeiro ano
na paz de Jáh, basta Sinval trazer as peças certas e como ele tem
trânsito no mundo da bola isso não deveria ser tão difícil, Ivã já lhe
entregou o futebol e ficou com a politicagem, esse ano o rubro-negro tem
dois mandantes com funções definidas entre eles.

Sinval
assumiu a titularidade de condutor mor das contratações, relações
públicas, press release, enfim, no que diz respeito ao Departamento de
Futebol quem ruge mais alto é Sinval Vieira e Ivã de Almeida está de
acordo. O
gerente de futebol, por sua vez, tem sido consistente com as suas
entrevistas até o momento, ele está tentando montar uma equipe
competitiva com jogadores de nome (todos se chamam Jesus) e experiência,
está priorizando qualidade comprovada e trouxe um caminhão de jogadores
conhecidos, Cleiton Xavier, André Lima, os dois Willians, além dos
gringos Dátolo, Pisculichi (Pikachivis?) e Pineda (Pina Colada?), nada
de jogador de DVD porque no Vitória as coisas são feitas por carta e
papel timbrado desde 1899. 

Mas deixando de brincadeira Cangaceiro, qual é a real desse time? 

O
goleiro já foi testado e é regular, nunca vai ser um Dida, mas passa,
nada para comentar aqui, a zaga rubro-negra sabe sair jogando, Alan
Costa tem bom passe, Fred tem bom passe, chuta bem e cobra faltas, mas
estranhamente o time sai no chutão constantemente ao invés de utilizar o
bom toque de bolas dos zagueiros, Kanu é combativo e voluntarioso, mas o
time não capitaliza o passe dos dois zagueiros titulares. As laterais
parecem ter melhorado com Patric e Euller, mas ainda aquém do
necessário, podem fazer melhor, os volantes são comuns e o meio de campo
é a grande incógnita. 

Cleiton
Xavier ao meu ver é o melhor jogador do Vitória ao contrario do que
pensam os fiéis de Jesus, o X-Men ele tem qualidade realmente
comprovada, bom passe, boa visão de jogo e bom posicionamento, tem tudo
para ser o cérebro do time, Jesus Dátolo tem qualidade embora não me
pareça melhor do que o Professor X, além disso acredito que vai ter
passagens constantes pelo Departamento Médico, um grande ponto de
interrogação para mim. Paulinho vejo muita correria e pouca qualidade, é
agressivo, segura a bola e demora a passar, compromete o avanço da
equipe. David é comum, Kieza não vejo nada, André Lima fora de forma
ainda. Pineda… O ataque do Leão embora possa mais do que anda fazendo,
até agora só mete medo em times da categoria do Galícia, precisa de
mais consistência. 

Argel
é um treinador razoável mas que a meu ver não vai longe com esse time,
ele tem estilo de jogo pesado, acostumado com times de força e não tem
as peças compatíveis com as suas características, e eu diria que o
Vitória se daria melhor com um treinador mais para frente, que gosta de
atacar. A principal falha da equipe é a falta de aproximação entre os
jogadores, falta triangulação, muitos passes errados ainda e muitos
momentos delegado principalmente de Paulinho e Kieza, muitos momentos de
domínio improdutivo que fica pedindo por jogadas individuais e isso é
um problema porquê se virar a tônica da equipe quando precisar de
conjunto não vai ter. Para mim faltam 3 jogadores para o Vitória se
arrumar. 

O
Rubro-Negro até o presente momento não jogou uma única grande partida,
os reforços parecem ainda estar se adaptando, alguns fora de forma, as
laterais precisam ser reforçadas, a defesa depois de um inicio tremido
está melhor, embora não seja excelente parece melhor do que nos
primeiros jogos, a criação alterna bons e maus momentos, se vê lampejos
de qualidade, o ataque ainda não deslanchou mas Kieza tem dado conta do
recado contra os “Usual Suspects” do Campeonato Baiano. Não tiveram
nenhum desafio que pudesse qualificar a equipe até o jogo contra o Vasco
da Gama no Rio de Janeiro. E o que esse jogo mostrou?

Esse
jogo mostrou a resiliência da equipe, que jogou de igual para igual
contra o Vasco, mesmo depois de perder Euller, porém a verdade é que
esse time do Vasco mesmo estando na Série A é sério candidato ao
rebaixamento que seria o quarto da sua história. Sinceramente o Vitória é
melhor que o Vasco e deve conseguir a vaga a não ser que tenha uma
oscilação no jogo de volta, se tomar um gol cedo pode se perder de
maneira semelhante ao jogo do Botafogo-PB, precisa manter a atenção os
90 minutos, um vacilo como o de ontem no final da partida pode custar a
classificação.

Hoje
o Vitória está líder com folga no Campeonato Baiano graças ao rodízio
de Guto Ferreira, não acho que esteja acima do Bahia por 4 pontos em
qualidade, acredito que qualquer um pode vencer o BA-VI e o resultado
não vai determinar quem é melhor ou não, mas vai determinar o destino
dos treinadores. Imagino que se o Bahia perder, o “Gordiola” cai, já se o
Vitória perder, Argel voltará a ser pressionado e pode pegar o boné. 

Na
Copa do Nordeste não vejo favoritos, embora tenham citado Sport, Bahia e
Vitória, vejo isso apenas por nome e tradição. O Vitória deve oscilar
ainda, o Sport teve trabalho contra equipes fracas e o Bahia só jogou
dentro do próprio cercado. O Vitória se classifica, mas depois é
chance. Na
Copa do Brasil, desejo de Sinval, acho que o Vitória tem grandes
chances de passar de fase e se perder para o Vasco embora seja normal
acho que seria ruim (para eles), a equipe é melhor que o time de
Cristovão e deve vencer. A volta desse jogo será mais esclarecedora. 

Eu
continuo vendo o Vitória como uma equipe que vai oscilar o ano inteiro,
grandes partidas serão alternados por partidas horríveis, com Dátolo e
Cleiton Xavier inspirados o time vai jogar, mas se depender somente da
individualidade deles vai se tornar muito previsível. Se esses dois
jogadores forem propriamente anulados a bola não vai chegar na frente,
Paulinho a meu ver é ruim, Kieza meeiro, Pineda não sei, dizem que é
bom, mas sem bons passes esse jogadores não vão funcionar, e se o time
tiver que jogar na individualidade os outros times vão perceber e
passarão a marcar. Argel não encontrou os esquemas de jogo que favorecem
as características da equipe. 

No
BA-VI o Bahia precisaria ganhar o meio de campo e anular os passes do
Vitória, especialmente Cleiton Xavier, acertar a pontaria do ataque e
jogar compacto, a zaga titular tem capacidade para conter o ataque do
Vitória, mas não pode ser deixada no mano a mano por risco de pênaltis e
faltas na entrada da área, já o rubro negro precisaria acelerar o jogo,
fazer ultrapassagens e contra-ataques rápidos, poderia pendurar os
volantes do Bahia rapidamente. Se o Vitória prender a bola não vai
produzir e se cadenciar o jogo demais será melhor para o Esquadrão, a
questão é se o Leão é capaz de acelerar a partida infiltrar jogadores
entre as linhas como fez o Paraná e triangular ou trocar passes curtos e
rápidos, exatamente o que não está sendo capaz de fazer. Vai marcar o
Tricolor no campo de ataque mas não vai manter a consistência. No final
da partida o time de Guto estará em melhores condições físicas e vai
poder pressionar. Qualquer um pode vencer e cantar a pedra aqui seria
tolo. continua 50%-50%

A
política de contratações do Vitória foi acertada, porém o risco está em
depender de Cleiton Xavier e Dátolo, nos outros não vejo tantos riscos mas também
não vejo tanta qualidade, sem esse dois citados o Vitória torna-se um
time comum, com eles inspirados torna-se perigoso, mas se forem anulados
não vejo mais ninguém para socorrer, um bom segundo volante de bom
passe semelhante a Juninho é necessário além de um lateral esquerdo e
um (bom) reserva para Xavier, acho que essas 3 posições seriam
as carências. Argel precisa utilizar as características da equipe e não
tentar adaptar os jogadores ao seu estilo de jogo, mesmo com Fred, Kanu
e os volantes sendo adaptados ao jogo de força o time como um todo é
mais ataque, não vejo muito fruto em tentar equilibrar mas vejo ganhos
em enfatizar essa característica. 

Jogando
pra frente com o time que tem e mais esses 3 reforços que citei eu
acredito que o Vitória vai ganhar mais jogos do que perder, se tentar
equilibrar a equipe e fazer os jogadores de frente marcarem demais, Argel
vai arriscar lesões e um time cansado na segunda etapa. Um bloco mais
avançado pressionando os adversários no campo de ataque renderia mais
lucro ao Vitória por manter a bola no campo adversário criando chances
de gol, Cleiton Xavier chegando de trás (lá ele), Andre Lima chuta bem,
Kieza é chato na área e David chuta bem também. Fazer os homens de
frente ficarem voltando é cansativo e desgastante, manter a bola no
ataque serie possível se a defesa avançar e não permitir que o time
adversário passe da intermediaria mas para isso precisaria roubar as
bolas rapidamente e devolver aos meias também de forma rápida. Um volante de bom
passe seria capaz de fazê-lo e com o time mais próximo essa estratégia
poderia funcionar. Apenas ideias.

Minha
avaliação obviamente é superficial, não acompanho o Vitória e quase não
assisto os jogos, muito pior ainda sobre a política que para mim é um
risca-faca doido, mas tento passar o que vejo sem clubismo, o caminho que
o Vitória escolheu lhe caiu bem, precisa de ajustes e está longe de ser
ideal, mas está no caminho certo, faltam peças e Argel apesar de não
ser nenhum suprassumo (é um gênio, Argênio!), pode fazer algo se aceitar
as características da equipe, se impôr o seu estilo de jogo vai sofrer,
se não criar alternativas para as ausências eventuais dos bons meias vai
sofrer, não vai ganhar a Copa do Brasil, mas vai passar de fase e pode até fazer uma
boa campanha, mas no fundo acho que a torcida não deve se iludir, 2017
tem tantas chances de ser tranquilo como pode ser o mesmo terror de 2016,
e a razão é que o time vai oscilar tanto quanto Xavier e o Dátolo. Na verdade, Argel precisa encontrar a alternativa para manter o nível quando eles
falharem, falhar nisso será igual a comprar um bilhete de montanha
russa. Fortes emoções.

Para quem me pediu, eu tentei. S.T.


Yvez Pineiro (Cangaceiro) – Amigo, Bahia e Colaborador do BLOG