As carências do time do Bahia para temporada 2017

A temporada 2017 ainda não começou, é verdade, ainda temos tempo, outra verdade, mas o Bahia larga atrás dos rivais considerando os clubes da Série A quando o assunto tratado  são os necessários reforços. Passados aproximadamente 45 dias desde o término do Campeonato Brasileiro da Série B, o Bahia só perde neste quesito para o Sport-PE que não anunciou nenhum jogador, enquanto o Esquadrão contratou o experiente lateral-esquerdo Pablo Armero, que atuou 39 vezes nos últimos 3 anos.

As renovações dos contratos de Edgar Júnio, Eduardo e René Junior não empolgam ou satisfaz considerando que a exigência de qualidade para 2017, agora na Série A  indiscutivelmente suplanta em furos acima ao que foi necessário para obter o acesso e ainda assim de forma sofrida e sendo derrotado na última rodada por um adversário que fazia festa após conquistar o titulo da Série B com três rodadas de antecedência. Portanto, se algumas renovações são necessárias, contratar, reforçar notadamente neste momento onde existe uma oferta maior de jogadores é fundamental.


Vejamos análise posição por posição:


Goleiros: Uma posição que em minha opinião raramente deve-se mudar, isso quando se tem um com capacidade para ser titular absoluto e que passe confiança debaixo das traves, não foi o caso do Bahia nos últimos anos que sofreu para tentar encontrar o seu camisa 1 “perfeito”. Recorreu à Marcelo Lomba, Omar, Jeanzinho, Douglas Pires e por fim Muriel. Difícil dizer qual foi o “menos ruim” ou qual agradou menos, diria que Muriel foi o mais regular sendo o único que conseguiu se firmar e terminar a Série B como titular absoluto, mesmo assim, não se tornou uma unanimidade entre os dirigentes e torcedores, tanto que poucos pedem sua permanência e a diretoria já busca outros nomes como o de João Ricardo, do América-MG. Atualmente no elenco só temos Jean que precisa ganhar maturidade para ser titular. Muriel e Anderson têm contrato até o próximo dia 31 e não devem ficar. Sendo assim, deve-se buscar mais dois arqueiros no mercado ou subir um da base para ser o terceiro goleiro, deixando Jean como segunda opção.

Laterais: Um setor que já deu muitas dores de cabeça ao torcedor, perdi a conta de quantos “pangarés” foram testados, reprovados e dispensados, principalmente no início deste ano, antes das chegadas de Eduardo e Moisés que deram mais segurança as alas e se tornaram “intocáveis”. Para a lateral-direita, além de Tinga, que é sofrível, porém, deve ficar em 2017, o Bahia contratou Eduardo em definitivo, e ao menos e à principio não teremos dor de cabeça caso não precisemos recorrer ao reserva imediato. Oremos. Na lateral-esquerda, perdemos João Paulo Gomes que não agradou e se mandou, e Moisés que ainda negocia uma renovação. No entanto, a diretoria não cochilou e já trouxe o possível dono da camisa 6 para 2017. O experiente colombiano Pablo Armero.

Zagueiros: A defesa é o único setor onde não temos preocupações. A dupla titular foi mantida com Jackson (que é do Bahia em definitivo) e Tiago (que tem contrato até maio/2017, mas deve renovar). Mesmo assim, temos como reserva imediato Lucas Fonseca, além de três jovens da base que podem ser utilizados no Baiano e Nordestão. Éder (volante que também atua como zagueiro), Dedé e Rodrigo ‘Becão’ (promessa da base que deve ser incorporado ao elenco principal). O Bahia só deve ir ao mercado caso perca alguma peça deste setor, fora isso, estamos muito bem servidos para disputa do Baianão e Copa do Nordeste.

Volantes: Além das laterais, outra posição trata como prioridade é a ‘volância’. Perdemos Gustavo Blanco (emprestado ao América-MG). Luiz Antônio ainda não renovou o contrato e já manifestou desejo de ficar no Flamengo. Juninho, apesar de ter contrato até 2017, tem propostas de Botafogo e Inter e não é certeza se permanece, assim como Feijão e/ou Yuri que podem ser emprestados. O único até então confirmado para 2017 é Renê Júnior que renovou contrato por mais uma temporada. O direção do Bahia foi à São Paulo e pode trazer novidades, o presidente tricolor afirmou que negocia com jogadores de Palmeiras e Corinthians, não deu nomes aos bois, mas revelou as posições. Lateral e volante.

Meias: Temos na ‘meiúca’ três jogadores que precisam deslanchar com a camisa do Bahia para mandar a desconfiança de vez embora. Renato Cajá e Régis revesaram o posto de camisa 10 na Série B. Foram importantes, decidiram alguns jogos com gols e assistências, mas por vezes oscilavam e por isso nenhum dos dois conseguiu se firmar. Também podem atuar juntos, com Régis caindo pelos lados e Cajá centralizado. Acredito que serão essenciais em 2017 iniciando a pré-temporada, algo que faltou para Cajá que veio do exterior sem ter tido férias para vestir logo a camisa e jogar. Como terceira opção, temos o contestado Rômulo, meia com bastante potencial, mas que ainda precisa ser lapidado e trabalhado para evoluir tanto fisicamente quanto tecnicamente.

Atacantes: Outro setor preocupante. Para atuar pelos lados, só temos Edigar Junio atualmente no elenco. Como Guto Ferreira é adepto do 4-2-3-1, sempre com dois pontas abertos, é preciso buscar urgentemente atacantes de beirada. Já para o posto do camisa 9, temos apenas o Hernane e o jovem Mário. Sofremos um bocado na Série B quando o ‘Brocador’ ficou fora de combate, recorremos até a Zé Roberto já sabendo que não teríamos sucesso. Precisamos contratar um 9 que venha para fazer sombra ou disputar posição com Hernane. Henrique Dourado e Rodrigão são bons nomes que estão na mira do Esquadrão. Vale lembrar que Victor Rangel, Misael e Wesley Natã não devem ter os contratos renovados.

Deixe seu comentário!

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*