Bahia sufoca o CRB, consegue o empate e garante a ponta

Líder absoluto e dono da melhor campanha do Nordestão, o Bahia entrou em campo para enfrentar o CRB precisando apenas de um empate para garantir a primeira colocação do grupo. Além da liderança, jogo valia a manutenção da invencibilidade na Arena Fonte Nova. Nos 5 jogos no estádio em 2015, 5 triunfos. Sem levar em consideração o amistoso contra o Shakhtar. 

Vamos ao baba! Sem a transmissão da partida, foi o jeito ligar o velho rádio de pilha e sofrer mais um pouco para acompanhar o Esquadrão. Vale tudo pelo Bahia, até se irritar aos 3 minutos, isso mesmo, mal a bola rolou e o CRB abriu o placar numa falha da defesa tricolor. Pirão cruzou da esquerda, Carlos não subiu, e Fernando testou no canto do goleiro Jean.  


Após o gol, o CRB se fechou no campo de defesa e dificultava a penetração do tricolor baiano. O Bahia pressionava, ultrapassava o meio de campo com facilidade, tentava em bolas alçadas na área, mas esbarrava no ferrolho armado pelo time alagoano. 

Com o trio ‘KGB’ pouco inspirado na partida, Tiago Real tentou resolver individualmente aos 15 minutos, limpando dois marcadores e mandando no travessão. Aos 32, o baixinho Maxi Biancucchi aproveitou cruzamento de Tony e cabeceou com veneno para boa defesa de Júlio César. Mesmo com a pressão, o Bahia não conseguia furar o bloqueio do CRB.

Aguardei ansioso para ver a substituição de Soares no intervalo. E o treinador fez o óbvio, e que poderia ter feito até no decorrer da primeira etapa. Sacou Pittoni, totalmente perdido em campo e colocou os talismã Zé Roberto, deixando o time com 4 atacantes. E o Bahia voltou com a mesma pegada que terminou o primeiro tempo.

Ousado e corajoso, o técnico Sérgio Soares colocou o time pra frente. Sacou o lateral Carlos e colocou mais um atacante – Willans Santana, deixando uma avenida no meio de campo, sem um jogador para criar. Depois, tentando corrigir, o treinador colocou o meia Rômulo no lugar do volante Souza e recuou Tiago Real para ajudar na marcação. O time atuava com 2 zagueiros, 1 lateral, 1 volante improvisado, 1 meia e 5 atacantes, lembrando muito os times das décadas de 50 e 60.

E as modificações surtiram efeito. Aos 30 minutos, Zé Roberto invadiu a área e cruzou da esquerda para Kieza tocar de letra e empatar a partida. Terceiro jogo que o talismã entra e decide para o tricolor. Em busca da virada, o Bahia continuou pressionando, manteve o volume de jogo os 90 minutos, mas ficou no empate por 1 a 1. 

Com o resultado, o tricolor garantiu a classificação antecipada na primeira colocação do grupo E da Copa do Nordeste, perdeu os 100% de aproveitamento na Arena em 2015, mas manteve a invencibilidade. O Bahia foi superior o jogo inteiro e merecia o triunfo, mas o empate acabou sendo satisfatório, e agora é focar nas quartas de final do Campeonato Baiano.    

Deixe seu comentário!

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*