Conder garante Pituaçu antes do Baiano de 2009

O Estádio Governador Roberto Santos, mais conhecido como Pituaçu, deve ficar pronto antes do primeiro jogo do Campeonato Baiano de 2009, que acontece no dia 18 de janeiro.A declaração é da presidente da Companhia de Desenvolvimento Urbano do Estado da Bahia (Conder), Maria Del Carmen, que esteve, ontem pela manhã, conferindo de perto, o que considera os últimos ajustes das obras de ampliação do equipamento esportivo. As intervenções foram retomadas na última quinta-feira após decisão da Justiça em suspender o embargo, que questionava a falta de licitação para dar início à reforma, há cerca de 10 meses.

Utilizando capacete de segurança e cercada por assessores, Del Carmen se dividia entre a fiscalização da obra e a atenção aos jornalistas, que ligavam para seu telefone celular, em busca de informações. “Queremos acelerar as obras o máximo possível, mas, não podemos prever como estará o tempo nos próximos dias, sem contar que pode chegar, em qualquer momento, um órgão e novamente paralisar nosso trabalho”, destacou.

No local, cerca de 200 homens trabalham das 7 às 17 horas e algumas equipes, em regime de plantão, também durante a madrugada. Máquinas de diversos tipos e tamanhos dão conta do excesso de terra em torno do estádio, enquanto trabalhadores, do lado de dentro, fazem ajustes nos refletores, piso, arquibancada e rede elétrica.

Esta foi a segunda vez que as atividades no Estádio de Pituaçu foram paralisadas e retomadas. A primeira aconteceu no início de outubro, quando o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) determinou o embargo das obras alegando falta de licença ambiental para sua execução. Dezessete dias depois, o trabalho foi reiniciado, após apresentação do documento exigido.

Como em uma novela, outros capítulos estavam por vir e as obras foram novamente suspensas, no início de novembro. Desta vez por determinação do juiz José Olegário Caldas, que questionou a dispensa de licitação para realização da reforma, considerando que, em se tratando de um estádio de futebol, não poderia ser enquadrada como uma obra urgente, portanto, deveria passar pelos mesmos trâmites de qualquer outra obra do governo.

“Mas, nós entramos em contato com diversas empresas e optamos por aquelas que apresentaram os menores preços, exatamente como deve ser feito, no entanto, este processo, que costuma levar meses, nós fizemos em uma semana”, explicou Del Carmen.

Com gasto inicial em torno de R$ 22 milhões, o campo esportivo já está custando aos cofres públicos mais de R$ 39 milhões e ao final deve chegar a R$ 50 milhões, cerca de 150% mais caro que o previsto. Quando finalizada a reforma, o estádio terá capacidade para 34 mil torcedores, além de servir como espaço para outros eventos. (Por Roberta Cerqueira da Tribuna da Bahia )

Deixe seu comentário

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*