Vitória pega Coritiba para quebrar tabu

Tabu é para se quebrar. Quem ainda não ouviu a frase “um dia a casa cai”? Pois, sábado, contra o Coritiba, será dia de desafio do Vitória na Série A. O rubro-negro nunca venceu o Coxa como visitante. Motivado pelo triunfo por 1×0 sobre o Santos, o clube pode, na complementação da sexta rodada, quebrar a escrita de mais de três décadas e ganhar três pontos no Estádio Couto Pereira – até 1997, o nome era Belfort Duarte, maranhense que foi “capitão” e ajudou a América do Rio a sagrar-se pela primeira vez campeão carioca, em 1913.

No retrospecto, foram disputados 20 jogos entre baianos e pernambucanos. Pelo Brasileiro, na primeira vez na capital paranaense, em 72, o Coritiba fez 3×0. No total, foram 17 jogos: 11 no Couto Pereira. São seis triunfos do adversário e cinco empates. No último, no ano passado, pela Série B, partida dramática e nervosa, com 32 mil pessoas nas arquibancadas, empate por 2×2. Robinho e Túlio fizeram os gols do Coritiba, e Joãozinho, dois, para o Vitória. Luís Fernando e o técnico Vadão foram expulsos pelo árbitro capixaba Edson Espiridião.

Em 2004, o Coritiba goleou por 5×1. O resultado foi danoso para o Vitória, que caiu para a 21ª colocação, entrou na zona de rebaixamento e não saiu mais. Comandado pelo técnico René Simões, perdeu para São Paulo, Cruzeiro e Ponte Preta e foi rebaixado para a segunda divisão.

O técnico Vágner Mancini, que aproveitou a folga de ontem para dar atenção à família, só a partir de hoje começa a planejar o jogo de sábado. Ele encara como mais um desafio, sem se preocupar com a vantagem técnica. “Vamos, sim, respeitar o Coritiba, mas vamos com o pensamento em três pontos”, observou. Vitória vai pagar hoje promessa atrasada
O momento não poderia ser melhor. Após o triunfo de 1 a 0 sobre o Santos, dirigentes, conselheiros, comissão técnica e jogadores e funcionários do Vitória sobem esta manhã a Colina Sagrada, para agradecer aos pés do Senhor do Bonfim, padroeiro de todos os baianos, a conquista do bicampeonato de 2008, e a recuperação do time na Série A do Campeonato Brasileiro, subindo para a 8ª posição na tabela de classificação.

A programação de hoje do Vitória, que vai trocar os gramados do centro de Treinamentos do Fazendão pelo adro da Igreja do Senhor do Bonfim, é para o pagamento de uma promessa feita pelos próprios presidentes do clube, Jorge Sampaio, do Vitória S/A, e Alex Portela Filho, do Esporte Clube Vitória, logo após a conquista do bicampeonato baiano, e antes da estréia, da volta à 1ª Divisão do Campeonato Brasileiro.

“No dia marcado choveu muito em Salvador, e às 9 da manhã o ônibus que levava o grupo não conseguiu sair do enorme engarrafamento que congestionou toda a cidade de Salvador. Acredito que hoje vai tudo sair dentro do previsto”, explicou o assessor de imprensa do Vitória, jornalista Antônio Roque Mendes.

O time iria repetir no dia oito de maio o mesmo ato de 21 de novembro do ano passado. Assim como acontecerá hoje, a delegação do Vitória foi à Igreja do Senhor do Bonfim para agradecer o retorno da equipe à elite do futebol nacional.

Essa nova maneira de comemorar as conquistas rubro-negras foi implantada pela atual diretoria. Devoto fervoroso do Senhor do Bonfim, o presidente Jorge Sampaio mudou a tradicional carreata do Corredor da Vitória (onde a equipe foi fundada) ao Farol da Barra para a ida à igreja mais tradicional da Bahia.

Além de Sampaio, o presidente do Esporte Clube Vitória, Alexi Portela, e o supervisor Mário Silva também são devotos do santo. Hoje, a igreja construída por escravos de 1750 a 1754, por iniciativa do escravocrata e sargento-mor Antônio José de Campos, estará repleta de rubro-negros. Torcedores, dirigentes, jogadores, todos irão agradecer ao padroeiro da Bahia, por afeição, e aproveitar para pedir proteção na disputa da Série A. Com infirmações do Correio e da Tribuna da Bahia

Deixe seu comentário!

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*