Domingo, 19 de Fevereiro de 1989: O início do fim

De 1989 em diante, passou-se a generalizar entre os tricolores a importância do mês de fevereiro em suas vidas, partindo da conquista do Campeonato Brasileiro pelo clube, na edição do ano anterior. Livros, DVDs, brindes alusivos ajudaram a manter viva na memória do povo o elenco formado pelos heróis Ronaldo, Tarantini, João Marcelo, Claudir e Paulo Robson; Paulo Rodrigues, Gil e Bobô; Zé Carlos, Charles e Marquinhos. Confesso que essas comemorações em todo o dia 19.02 me deixam preocupado ano a ano.

Isto porque todos passaram a se comportar como se o episódio nunca mais fosse reincidir. Um exemplo ficou claro na “festa dos 10 anos”, em 1999, quando lançaram camisas oficiais, além de reunir os atletas campeões numa partida contra um combinado de ex-ídolos da agremiação, em preliminar do confronto do grupo de profissionais diante do Camaçari, na Fonte Nova. Só podia sair mesmo da cabeça do presidente “Tiririca”, um dos piores da história do Bahia. Pelo menos nunca vi o Santos promover evento que celebrasse os mundiais interclubes de 1962/63, ou o Grêmio registrar algo que lembre a aquisição do troféu em Tóquio em 1981. Quem pensa como clube grande, imagina que um importante título se “comemora” conquistando outro.

Mas a maior reflexão que ficou nesses 19 anos, é a certeza de que os “eternos” não se prepararam para ganhar aquele Campeonato Brasileiro, e nem se organizaram para estabelecer um planejamento a médio e longo prazo, capaz de estimular o crescimento da marca Bahia em nível nacional e internacional, aproveitando a repercussão deste marco. Evidências não faltam:

1 – Às vésperas de se iniciar as quartas de finais contra o Sport-PE, a diretoria se desfez de dois dos importantes atletas que equilibravam o grupo: o goleiro Sidmar e o quarto-zagueiro Pereira, embora a entrada de Ronaldo e Claudir, respectivamente, não tenha oferecido grandes comprometimentos ao esquema do então técnico Evaristo de Macedo. Ora, já viu quem tem como meta um título de tamanha envergadura cometer um erro primário como este logo num momento crucial?

2 – A Associação Bahia Livre, certa ocasião em seu site, narrou sobre o problema com a fornecedora de materiais esportivos, cujo contrato havia expirado no bojo das etapas decisivas do torneio, o que obrigou ao clube jogar com uniformes de qualidade inferior, inclusive na estréia da Taça Libertadores – que veio logo em seguida – com materiais cedidos pelo Internacional, o que demonstra ausência de Planejamento em gestão esportiva para ser campeão do certame.

3 – Afora o 4º lugar em 1990, o Bahia sempre ocupou desde então posições vexatórias na tabela de classificação. Chegou a disputar o “Torneio da Morte” meses depois de erguer o troféu no Beira Rio (1989) e só não foi degolado em 1992 e 1995 porque o regulamento lhe foi favorável.

4 – Geralmente, o clube que planeja grandes conquistas não confia num elenco em sua maioria duvidoso (muita gente pode aqui ressaltar a qualidade de Bobô, Charles, Paulo Rodrigues, etc., com os olhos de hoje. Mas ninguém de sã consciência naquela época achava que sozinhos eram capazes de ir à final, a não ser mesclados de jogadores experientes, de preferência com passagens pela Seleção Brasileira e com títulos nacionais em seus currículos).

5 – O Bahia tinha ótimas oportunidades após a conquista, de reavivar o seu conceito internacional – basta lembrar que mais de 100 países viram as etapas decisivas do campeonato de 1988 e ainda seguiram os passos do clube na Taça Libertadores pela TV., ao vivo e a cores. O caminho natural era arrumar os passaportes para grandes excussões pela Europa e Ásia, mas preferiu se exibir pelos acanhados estádios no interior do Estado, pois era mais importante consolidar as bases eleitorais daquele que se intitulou “eterno presidente”. E quando foi à África no ano seguinte, envolveu-se num quadrangular no Gabão vencido pelo Vasco e, de forma até hoje misteriosa, foi o único dos clubes participantes que não viu a cor dos dólares que lhes eram destinados.Os aspectos supracitados são apenas uma amostra de que o Bahia, por meio de seus “eternos dirigentes”, iniciou a temporada de 1988 da mesma forma que as anteriores: sem planejamento, sem ter a certeza de como iria terminar.

É óbvio que, dentro de uma visão atualizada, aquela memorável tarde de domingo vêm atenuando, e muito, os vexames e as humilhações que para nós vêm se tornando rotina. Mas, indubitavelmente, aquela conquista não foi fruto de uma engenharia, pois trata-se de um presente para a torcida tricolor, e que caiu do céu no colo de Maracajá, servindo para este desde então como sua peça de marketing pessoal, quando sempre questionado sobre os seus obsoletos e ditatoriais passos que colocaram o Bahia neste poço, cada vez mais sem fundo, sempre com a mesquinha obstinação a se manter no poder. Por mais bizarro que pareça, o Campeonato Brasileiro de 1988, que era para servir como marco do crescimento da instituição, terminou funcionando como início de sua decadência.Wilson dos Santos
http://www.dececbahia.blogspot.com/

Deixe seu comentário

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*