Cinco são indiciados por tragédia da Fonte Nova

Cinco pessoas foram indiciadas pela Justiça baiana pelo desabamento de parte da arquibancada do estádio Otávio Mangabeira, a Fonte Nova, no dia 25 de novembro do ano passado, quando sete torcedores morreram, durante a partida de Bahia X Vila Nova, pela Série C do Campeonato Brasileiro. Os indiciados foram: o diretor superintendente da Sudesb, Raimundo Nonato Tavares (Bobô); Virgílio Elísio, diretor técnido da Confederação Brasileira de Futebol (CBF); Ednaldo Rodrigues, presidente da Federação Baiana de Futebol (FBF); Petrônio Barradas, presidente do Esporte Clube Bahia, e o engenheiro da Sudesb, Nilo Santos Júnior.

A conclusão do inquérito que investigou as causas e os responsáveis pela tragédia na Fonte Nova foi divulgada nesta terça-feira, 22, pela Policia Civil, em entrevista coletiva da delegada Marilda Marcela da Luz, no Departamento de Polícia Metropolitana (Depom), na Secretaria de Segurança Pública (Praça da Piedade).

Segundo a conclusão das investigações, Bobô , Virgílio Elísio, Ednaldo Rodrigues e Petrônio Barradas foram indiciados por homicídio doloso – porque teriam como evitar a tragédia e nada fizeram para tanto. Já o diretor de operações da Sudesb, o engenheiro Nilo Santos Júnior, foi indiciado por homicídio culposo, porque tinha conhecimento de que a tragédia poderia acontecer, mas não tinha poderes para determinar, no caso, a interdição do estádio.

A juíza Lícia Pinto Fragoso, da 2ª Vara de Defesa do Consumidor, que recebeu em janeiro de 2006 uma documentação da promotora Joseane Suzart, do Ministério Público, condenando as instalações do estádio, foi considerada omissa pela delegada. Todos os processos serão enviados nesta quarta-feira, 23, para o Tribunal de Justiça.

Deixe seu comentário

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*