Vitória tropeça nas suas pernas

Alegria e tristeza caminham juntos no dia-a-dia do Vitória. O torcedor rubro-negro acordou feliz com o fato de a equipe permanecer em terceiro lugar, após a disputa da 26ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro. Mas a perda de um mando de campo ainda incomoda.

Pior ainda quando se descobre que o próprio clube foi o responsável por este revés. Explica-se: a diretoria demorou para enviar à FBF a certidão de autuação do torcedor que jogou uma latinha no gramado, no empate com o Ceará, por 2 a 2.

O jogo aconteceu no dia 1º de setembro, no Barradão, mas a certidão só chegou nas mãos da advogada Patricia Saleão, no dia 20 de setembro, segundo informou o presidente da Federação Baiana, Ednaldo Rodrigues.

“A gente não entendeu esta demora. A Federação orienta os filiados para que quando ocorra esta tipo de infração, a certidão deva ser enviada para a FBF um dia após o ocorrido ou no mais tardar 48 horas”, falou Ednaldo.

A FBF, então, encaminha a certidão para o STJD. “O ideal é que a certidão informando que o autor da infração foi detido chegue ao tribunal no mesmo tempo da súmula do jogo. Quando isso acontece, o procurador nem denuncia o clube”, explica o dirigente.

O julgamento aconteceu no último dia 21 de setembro, com o Vitória sendo punido com um jogo de suspensão. A punição está programada para ser cumprida no próximo dia 6 de outubro, um sábado à tarde, quando o rubro-negro recebe o paulista Barueri e terá que atuar sem o apoio de sua torcida nas arquibancadas do Barradão.

SORTE – Depois de vencer o Marília, por 2 a 1, fora de casa, o Leão voltou pra casa e ficou secando os times que poderiam ultrapassá-lo e empurrá-lo para fora do G-4.

E deu certo. Na sexta, à noite, a Portuguesa se embaraçou com o São Caetano e empatou por 0 a 0. No sábado, à tarde, o Ipatinga bateu no Brasiliense (3 a 0) e o Fortaleza derrotou o Criciúma (2 a 0).

O técnico Vadão hesita na escalação do Vitória para o jogo de terça contra a Portuguesa, no Barradão. Com a recuperação do volante Chicão, que treinou os 40 minutos do coletivo, neste domingo, Vadão está decidindo se promove o retorno do titular ou mantém o garoto Ramirez, de 19 anos.

O meia Jackson deixou o treino sentindo um dor na coxa esquerda e será avaliado nesta segunda. Se não der para Jackson, o treinador escala Indio, que retorna de contusão.

Joãozinho, recuperado do traumatismo no dorso do pé, participou integralmente do coletivo e tem escalação assegurada.A Tarde

Deixe seu comentário!

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*