Arturzinho tem aproveitamento de 70,75% no Bahia

Arturzinho tem aproveitamento de 70,75% de pontos ganhos como treinador do Bahia: 30 vitórias, 14 empates e cinco derrotas. Supera qualquer antecessor nos cinco anos do clube sem título. Tampouco ganhou algo, embora, de fato, tenha sido contratado para subir à Série B. Até agora, os números jogam a seu lado, apesar das críticas. Contra o Rio Branco-AC, domingo, na Arena da Floresta, por exemplo, deve fechar 50 escalações diferentes em 50 partidas oficiais da temporada.

“Futebol hoje tem muito contato, lesão, suspensão”, enumera razões alheias à sua vontade para nunca repetir o time. “Não existe mais aquela idéia que alguns ainda carregam de ficar preso a 11 jogadores. Em algumas situações, é preciso adaptar, ver como o jogo de seu time pode encaixar melhor a depender do adversário”, opina.

Mesmo assim, Arturzinho advoga existir traço comum às formações usadas entre Campeonato Baiano, Copa do Brasil ou Série C. “A nossa característica é o toque de bola: nunca perdemos isto”, banca, para completar em seguida: “Este rodízio é para deixar os jogadores adaptados. Quando alguém entra, sentimos menos a perda de quem saiu”.

Somente o lateral-direito Carlos Alberto e o volante Fausto resistiram às mudanças ao longo do ano. Eles formam a nova base tricolor com Márcio, goleiro; Alison e Eduardo, zagueiros; Emerson Cris, volante; e Nonato, atacante. “Também é normal o treinador ter três, quatro jogadores que mantêm, porém eu faço justiça com quem aproveita a oportunidade”, encerra. E assim Ávine e Moré perderam espaço para Adilson e Charles.

Na Série C, o Bahia tem a melhor campanha. Ganhou 11 jogos, empatou três e perdeu somente um. No entanto, melhor estão os goianos Vila Nova e Crac, já classificados ao octogonal.Correio da Bahia

Comentários:

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*